Quero mostrar que esta fase também pode e deve ser bonita, saudável, activa e vivida com muita felicidade!!...

sábado, 11 de dezembro de 2010

Como cuidar da higiene de um idoso

A higiene é um dos fatores mais importantes para o asseio, conforto e qualidade de vida de uma pessoa. No caso de um idoso, uma ida à casa de banho/banheiro pode ser uma dificuldade enorme, no entanto, nunca deve estar comprometida e deve ser feita regularmente. Saiba como cuidar da higiene de um idoso e garanta-lhe o bem-estar necessário para a obtenção de uma vida saudável.


Em muitos casos, com o avançar da idade, o idoso deixa de ter forças e a capacidade para cuidar de si e da sua própria higiene. Para que isso não aconteça, é necessário ajudar a cuidar de um idoso, de modo a que ele se consiga aproximar e relacionar com outras pessoas e tenha uma boa vida. Para cuidar corretamente da higiene de um idoso, deve cumprir com os requisitos seguintes:

O banho do idoso

O banho é um dos aspetos de limpeza mais importantes no cuidar da higiene de um idoso, uma vez que um bom banho evita as irritações de pele e previne o corpo contra o aparecimento de infeções futuras.
No final do banho, é aconselhável a colocação de cremes hidratantes nos pés e nos braços para fortalecer e tornar a pele mais resistente.
Por norma, a casa de banho/banheiro comum é pouco funcional e a má conceção dos equipamentos balneares obriga à realização de esforços suplementares por parte do cuidador e do próprio idoso. Para que o banho não se revele um tormento, o ideal seria adaptar a casa de banho/banheiro às necessidades e à condição do idoso, assim o banho estaria sempre assegurado e sem qualquer esforço adicional.

A localização da sanita e do lavatório

Ao cuidar de um idoso deve ter em atenção onde estão situados a sanita e o lavatório, pois estes são elementos fundamentais para a satisfação das necessidades básicas de um idoso.

A sanita
A posição baixa em que a sanita se encontra é uma dificuldade extraordinária para um idoso e pode conduzir a desequilíbrios físicos. Para que isso não aconteça, junto à sanita, devem existir barras de apoio bilaterais, caso contrário, o idoso precisará de ajuda para se conseguir pôr de novo em pé.

O lavatório
O lavatório é também um dos elementos centrais numa casa de banho/banheiro, pois permite que um idoso faça a sua higiene oral. Ele deve estar embutido na parede para que o idoso se apoie sem correr o risco de cair.

Por outro lado, deve estar atento ao estado das torneiras do lavatório e verificar se elas são as mais adequadas para a condição do idoso. Por exemplo, se a pessoa sofre de artrite reumatoide, terá grandes dificuldades em conseguir abrir e fechar uma torneira de água e até mesmo pegar no sabonete para lavar as mãos.
O cuidador deve ter em atenção todos estes fatores que condicionam a ação dos idosos e deve descobrir novas estratégias que garantam a sua autonomia e independência.

Higiene oral

A manutenção da saúde oral é de extrema importância para a saúde geral de um idoso. Uma está relacionada com a outra e o segredo para que as duas estejam em sintonia passa por uma boa alimentação e pela visita regular ao dentista.
A aplicação do flúor é muito importante na prevenção das cáries e na proteção dos dentes. A limpeza da boca é assim fundamental para todos os idosos, inclusive para os que utilizam placa dentária, pois podem estar mal instaladas, o que faz com que o resto dos alimentos permaneça indevidamente no espaço que se encontra em torno da mesma.


O vestuário

A forma como um idoso se veste diz muito sobre a maneira como se trata e sobre a sua higiene pessoal. Muitas vezes, os idosos têm dificuldade em levantar os braços, em dobrar-se ou inclinar-se, mas isso não quer dizer que sejam desleixados na sua maneira de vestir. A melhor opção passa por selecionar roupas mais largas, mais práticas e mais confortáveis para a prossecução das suas atividades e exercícios diários.

O conforto que o vestuário proporciona pode ser dividido em três categorias distintas:

1.O conforto físico: Refere-se à utilização de roupas que protegem um determinado indivíduo da humidade, do calor, do frio e ajuda-o a sentir-se fisicamente confortável e seguro;

2.O conforto psicológico: O vestuário é uma forma de identificação pessoal e espelha um traço da personalidade de um indivíduo. O conforto psicológico do vestuário está associado ao bem-estar de um indivíduo e à forma como se apresenta perante a sociedade, podendo elevar a sua autoestima e autoconfiança.

3.O conforto social: Uma pessoa sente-se confortável ou desconfortável ao utilizar um determinado tipo de roupa num determinado evento ou acontecimento social. É normal que uma pessoa queira deixar uma boa impressão através do vestuário que utiliza e os idosos não são exceção.

Algumas dicas a ter em conta na casa de banho/banheiro de um idoso

Opte pela colocação de portas de correr, assim o acesso à casa de banho/banheiro é mais prático;

Privilegie o espaço da sua casa de banho/banheiro. Caso exista a necessidade de retirar um móvel, deve-o fazer para obter um espaço mais funcional e alargado;

Certifique-se que as toalhas, o sabonete, a esponja e o champô estão guardados em locais de fácil acesso;

Instale aparelhos de emergência que estejam situados em locais de fácil acesso como, por exemplo, um intercomunicador. Este tipo de aparelhos garante uma maior segurança ao idoso;

Ilumine as paredes se estas forem coloridas;

Armazene na casa de banho/banheiro uma quantidade mínima de roupas e coloque-as num local de fácil acesso;

Suavize todos os cantos para reduzir as hipóteses de ferimentos resultantes de uma queda;

Utilize sabonetes líquidos para lavar as mãos, pois estes são mais práticos do que as barras de sabão;

Coloque barras de apoio para ajudar um idoso a movimentar-se e reforce as saboneteiras e o corrimão das toalhas para que eles possam atuar como suporte;

Disponha os acessórios para o banho num local de fácil acesso. Essa é uma maneira de garantir uma certa independência e autonomia ao banho de uma pessoa idosa.

Fonte: Cuidamos

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Dar vida aos anos

Envelhecer não significa que a vida perca importância ou valor. Muito pelo contrário! Saiba aqui como é que a vida pós-reforma pode ser uma oportunidade única de libertação e renovação pessoal.

PARA O MUNDO OCIDENTAL, a reforma é um entre muitos aspectos sociais que demarcam uma mudança radical na vida do sujeito, determinando, pelo menos de forma simbólica, o início da vivência da designada velhice. No entanto, é cada vez mais frequente a abordagem da reforma como um acontecimento que implica uma transição, envolvendo inúmeras mudanças. O sucesso desta transição dependerá fundamentalmente da qualidade da reorganização da vida pessoal, no sentido de uma manutenção, senão mesmo optimização, de um bem-estar físico e psicológico.

O momento da reforma é, para muitos, uma ocasião em que o indivíduo se encontra particularmente susceptível a alterações nas suas vivências psicológicas, sendo um período propício à redescoberta identitária no confronto da ausência de um emprego a tempo inteiro. Para a generalidade dos reformados, esta fase não assinala somente o fim de uma actividade profissional. De facto, esta fase poderá ser, por um lado, um período de libertação e renovação (através de um novo ritmo de vida, espaço e tempo para maior investimento pessoal e social, estabelecimento de novos objectivos de vida, privilégio das relações familiares, mudança de residência, adopção de novos ofícios, etc.). Mas pode também ser um momento de sofrimento, de ruptura ou de perda, seja de objectivos, de prestígio, de amigos, de capacidade financeira, de utilidade ou de enquadramento face à sociedade.

Apresentamos algumas sugestões que se têm revelado bem sucedidas para uma transição serena e positiva para o período de pós-reforma.

Ocupação dos tempos livres
Traçar um plano para ocupar o tempo que outrora era empregue em compromissos profissionais poderá ser um dos passos mais importantes para evitar a monotonia e a passividade. Há que aproveitar a tão desejada fase em que nós próprios somos os responsáveis pelo traçar das nossas obrigações, quando e como quisermos! A selecção das actividades a desenvolver é então uma das decisões a tomar, sendo que estas escolhas irão condicionar o ritmo de vida e, em última instância, serão um motivo para sair de casa.



Implementação de actividades de lazer
A investigação documenta que as actividades de lazer em que um indivíduo se empenha têm um efeito positivo no seu bem-estar. O lazer confere identidade e estatuto social e também estrutura o tempo disponível do indivíduo, dando azo a importantes contactos sociais. Actividades como o voluntariado, o desporto ou a participação em actividades promovidas pela sociedade são óptimas opções para investir o tempo em prol de si mesmo e/ou dos outros. As próprias actividades domésticas - cozinhar, jardinar, fazer bricolage, (re)decorar interiores, fazer actividades manuais e cuidar dos netos podem adquirir outro significado e encanto. Também os passeios e as viagens são uma excelente opção para ocupar o tempo de forma enriquecedora, havendo hoje em dia uma vasta oferta de programas para turismo sénior.



Investimento na aprendizagem
Deveríamos cultivar a aprendizagem ao longo de toda a vida. Reconhecer que nem tudo são perdas e que há capacidades que se podem melhorar ou pelo menos manter durante o processo de envelhecimento, torna-se relevante para que o indivíduo se sinta útil, tenha prazer no desempenho das suas actividades e procure situações em que possa ser estimulado. As chamadas "universidades da terceira idade" têm-se revelado excelentes oportunidades de convívio social, aprendizagem e treino em competências específicas específicas (nomeadamente, na manutenção do exercício mental). Através delas, combate-se o isolamento, permitindo colaborações e entreajudas entre pessoas em situações semelhantes.


Estabelecimento de metas a atingir
É importante estabelecer objectivos que de alguma forma tragam sentido à vida quotidiana. A decisão sobre como usar o tempo para se manter ocupado é de maior importância aquando da transição para a reforma. A abundância de tempo livre só ganhará algum significado se aprender a cuidar das actividades que pretende desenvolver: "O que quero fazer nos próximos anos? O que posso fazer agora que não me era possível quando trabalhava? Que projectos realizar e como os levar a cabo? Os meus interesses são solitários ou preciso dos outros para me sentir bem? Quero uma ocupação a tempo inteiro ou uma horas por semana serão suficientes? Implicará gastos financeiros ou não?". Tem-se verificado que a satisfação com a vida e a felicidade tendem a aumentar quando estas metas são congruentes entre si, se coadunam com as motivações e necessidades próprias, quando são viáveis e realistas e quando permitem ao sujeito dar-se conta de que está a fazer progressos. A percepção de que se tem um papel mais ou menos relevante a desempenhar junto dos outros pode constituir-se como um objectivo de vida em si, ficando a agradável sensação de que se dispõe de um certo controlo sobre a própria vida. Ter por que viver e para quem viver são condições necessárias ao bem-estar e, por conseguinte, à saúde mental!



Atitude de aceitação e valorização pessoal
Acreditar nas capacidades pessoais, ter auto-determinação e fazer uma avaliação positiva de si próprio é imprescindível para pôr em prática os objectivos desta nova fase da vida. Se, ao longo da vida, algumas capacidades podem ficar ligeiramente diminuídas, outras tornam-se verdadeiras mais-valias que podem e devem ajudar a pessoa reformada a sentir-se valorizada. Importa referir que o crescente conhecimento integrado acerca do sentido da vida apenas está ao alcance de quem tem uma longa e reflectida experiência de vida - a tão conhecida sabedoria. Para além do conhecimento acumulado, é de destacar a capacidade madura de avaliação e julgamento, a tolerância e a própria estabilidade e solidez de personalidade.



Manutenção de um funcionamento activo nas actividades diárias
A ligação entre a saúde e actividades físicas e mentais é um aspecto decisivo ao longo da vida e, em particular, durante o envelhecimento. A estimulação da actividade intelectual pode passar por criar desafios para si próprio, manter interesses culturais, não abandonar hábitos de leitura, continuar a fazer uma boa gestão financeira e investir na gestão do tempo. Quanto à actividade física, crie rituais como a elementar caminhada ou outras actividades de intensidade ligeira, como andar de bicicleta. Uma sugestão simples é a de se juntar com pessoas da sua rede familiar ou extra-familiar, para a prática de exercício físico no dia-a-dia. Com uma atitude mais activa estará, com certeza, mais perto de um estado de saúde completo e de um bem-estar individual.



Empenho na vida
Adoptar actividades produtivas que constituam um prazer em si mesmas. A abertura para o crescimento pessoal é , em qualquer idade, essencial na disponibilidade que assumimos perante o aperfeiçoamento e enriquecimento pessoal e no desafio de novas experiências. É ainda importante estimular as relações sociais, desenvolver laços significativos com o meio e desenvolver um comportamento cívico que se espera de qualquer cidadão.



Cuidado com a saúde
É indispensável adoptar hábitos de vida saudável, nos quais têm um papel fulcral a actividade física regular, a alimentação equilibrada, a estimulação das capacidades mentais e a vivência em sociedade.

Fonte: "Rituais de Vida Saudável"

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Sabe quando vai entrar na menopausa?

Agora, é possível descobri-lo através de uma simples análise ao sangue e assim preparar-se para uma nova fase da vida.

A descoberta foi feita por cientistas iranianos, na sequência de um estudo, e apresentada em Roma no Congresso Europeu da Medicina de Reprodução: com uma simples análise ao sangue passa a ser possível determinar a idade aproximada da entrada na menopausa. A fórmula baseia-se num método estatístico capaz de revelar a idade em que a mulher chegará à menopausa, consoante os níveis da hormona responsável pelo controlo da produção de folículos nos ovários no sangue. Dado que a decisão de ter filhos é cada vez mais tardia, esta descoberta poderá ajudar as mulheres a planearem em que idade pretendem constituir família.

Um estudo de 12 anos

O estudo levado a cabo por cientistas da Universidade de Ciências Médicas Shahid Beheshit, situada em Teerão, decorreu ao longo de 12 anos e contou com a participação de 266 mulheres, entre os 20 e os 49 anos. A análise ao sangue identifica a hormona antimulleriana (HAM), responsável pelo controlo da produção de folículos nos ovários, produzida nestes órgãos. Assim, é possível logo a partir dos 20 anos prever a idade da menopausa.

A nível prático o objectivo da análise ao sangue é avaliar a capacidade fértil da mulher, determinando se a mesma existirá por muitos mais anos ou se, pelo contrário, irá se esgotar precocemente. A margem de erro do modelo desenvolvido pelos iranianos varia entre quatro meses e os quatro anos, consoante o caso.

O estudo permitiu determinar que as mulheres que têm concentrações sanguíneas mais baixas daquela hormona aos 20 anos, atingem a menopausa numa idade precoce, antes dos 45 ou dos 40 anos. E as que têm um nível da AMH elevado aos 20 anos (pelo menos 4,5 nanogramas por mililitro), superior aos 3,8 aos 25 anos e que aos 30 se situa nos 2,9, deverão chegar a essa fase após os 50 anos. Contudo, a equipa quer agora desenvolver um estudo mais vasto para confirmar os dados e apurar o seu teste.

O exame pode ser feito em qualquer idade. E a grande novidade do estudo para a comunidade científica é mesmo essa. A menopausa ocorre, em média, nas mulheres portuguesas, por volta dos 52 anos, quando deixa de ovular, facto que desencadeia uma diminuição na produção de hormonas. O factor genético é o mais determinante no aparecimento da menopausa, mas existem outros. O estilo de vida ou os hábitos alimentares podem também acelerar o processo de falência dos ovários.
 
Fonte Idade Maior

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Pais idosos - os novos dependentes

Perceba de que forma pode dar assistência ao seus pais e manter o equilíbrio, conjugando o trabalho,a família e a vida pessoal.
Assegurar o futuro de pais que caminham para a terceira idade é, hoje, uma das maiores preocupações dos filhos. Garantir o bem-estar, a saúde e a segurança é a prioridade, mas nem sempre a comunicação com os progenitores é fácil.

Aprender a comunicar

Mesmo nas famílias mais próximas, falar com os pais sobre o futuro ou o seu bem-estar pode exigir bastante determinação. Existem várias estratégias para manter a conversa positiva e produtiva. Por exemplo, manter as preocupações ao nível da primeira pessoa - "Eu estou preocupada", "Eu sinto" -, ao invés de "Vocês têm", "Vocês precisam".
Evite inverter os papéis e não assuma a função de responsável. Para a comunicação funcionar é essencial que os pais sintam equilíbrio na relação. E esteja preparado para deixar que tomem decisões, mesmo que não concorde com elas.


Planear com antecedência

Em primeiro lugar, deve reunir o maior número de informação possível sobre o estado de saúde e os cuidados médicos que necessitam, bem como os nomes e contactos dos seus médicos. É aconselhável que faça uma lista sobre a situação financeira, os bens, as aplicações, as contas, as dívidas e guardar os respectivos documentos.

Por fim, tenha sempre à mão ou combine com eles um lugar próprio para guardar os documentos pessoais, como bilhetes de identidade, cartões de contribuinte e certidões, para quando precisar, saiba sempre onde os encontrar.
Faça uma lista dos familiares, vizinhos ou pessoas próximas que sabe que os poderão ajudar, caso não esteja presente em caso de urgência. Ou, se preferir, juntamente com os seus pais, reúna informação sobre serviços comunitários, caregivers e residências. Troque impressões e ouça as suas opiniões. E se oferecem alguma resistência em receber ajuda tente convencê-los, explicando como funcionam os serviços e assegurando-lhes que continuarão a ser independentes.

Conjugar a vida profissional com a assistência a pais idosos

Para conseguir conjugar estas duas vertentes é preciso que planifique bem o seu tempo. Por isso, estabeleça prioridades e delegue trabalho a quem o possa ajudar. Procure saber se a sua empresa tem algum acordo com organizações que prestam apoio domiciliário. Pode, ainda, informar-se nos Recursos Humanos ou na Segurança Social sobre a baixa por assistência à família, prevista na Lei portuguesa, e saber se pode usufruir dos seus benefícios.

Existem ainda um conjunto de medidas que pode adoptar, como oferecer-se para fazer um turno que os seus colegas evitam, considerar a hipótese de trabalhar em part-time ou até mesmo falar com o seu supervisor e explicar-lhe a situação. Até pode ser que compreenda a situação e seja condescendente consigo.

Não se esqueça das suas necessidades

Apesar do esforço exigido para conseguir conjugar a assistência familiar com o emprego, é importante que não se esqueça das suas necessidades. A sua saúde não pode ser ignorada: coma equilibradamente, faça exercício e deixe algum tempo livre para fazer o que mais gosta. Quando precisar de ajuda, peça. Nunca deixe que a situação chegue ao ponto de saturação. Conversar com alguém também ajuda a libertar alguma pressão, quer seja com o seu parceiro, com amigos ou mesmo com um especialista.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Saiba se sofre de Cataratas

Tem visão turva?



Pode ser o primeiro sinal de que sofre de cataratas. Um problema que afecta 20 por cento da população mundial.
A visão turva, as cores esbatidas (os azuis, bem como a acentuação dos vermelhos, amarelos e alaranjados) e a miopia são alguns dos sintomas que se manifestam com o aparecimento de cataratas (opacidade parcial ou total do cristalino ocular). Contudo, trata-se de um processo indolor que provoca sintomas visuais praticamente imperceptíveis ao início e cuja evolução é quase sempre muito lenta.
Existem várias para o aparecimento da opacidade do cristalino, aliás podem produzir-se cataratas congénitas, presentes desde o nascimento, cataratas adquiridas, provocada por um traumatismo ocular ou enquanto complicação de uma doença grave, como diabetes, gota e hipotiroidismo. Por fim, a maioria das cataratas surgem depois dos 60 anos, originadas pelas transformações sofridas pelo cristalino ao longo dos anos, nomeadamente devido à perda do seu conteúdo aquoso e à condensação das duas fibras. São conhecidas como cataratas senis, sendo uma das principais causas de cegueira em idosos.

O envelhecimento ocular

Durante o processo de envelhecimento as pupilas deixam de dilatar com tanta frequência, reduzindo a intensidade de luz que chega à retina. Por norma, a partir dos 80 anos a retina recebe um sexto da luminosidade que recebia aos 20 anos, se estivermos a falar de uma área bem iluminada. Caso contrário, o valor pode descer até aos 1/16.

Por outro lado, as lentes oculares tornam-se também menos flexíveis, não se ajustando correctamente a diferentes distâncias. Todas as alterações consequentes do envelhecimento tornam os olhos mais vulneráveis a problemas oculares, nomeadamente às cataratas.

Soluções de tratamento

O tipo de tratamento depende do estado evolutivo da doença, ou seja, no caso das cataratas parciais que pouco dificultam a visão, o tratamento médico envolve a toma de colírios cidriáticos ou então a prescrição de óculos de correcção.

Contudo, nos casos mais evoluídos da doença a solução passa por uma intervenção cirúrgica que implica a colocação de uma lente intra-ocular. E, se até agora o doente teria de optar por uma boa visão ao perto ou ao longe, hoje, o tratamento das cataratas caminha a passos largos para uma correcção quase perfeita. Aliás, a extracção de cataratas constitui umas das operações menos complexas e mais bem-sucedidas e, desde que os olhos sejam saudáveis, o sucesso dos resultados ascende os 90 por cento.

Aliás, uma nova técnica desenvolvida por um oftalmologista português, dois norte-americanos e um espanhol já está a ser aplicada, aos poucos, no nosso país. A técnica Mix & Match, como é conhecida, permite uma boa visão a todas as distâncias, graças à combinação de lentes multifocais diferentes. Esta cirurgia, no entanto, só pode ser aplicada quando o problema afecta os dois olhos.
 
Fonte "Idade Maior"

Hospital de Braga sensibiliza idosos para a protecção contra o frio

O Hospital de Braga vai promover acções de sensibilização dirigidas à terceira idade, sobre a problemática do frio, inseridas no Programa de Educação para a Saúde que o hospital tem vindo a implementar. No âmbito desta iniciativa, a unidade hospitalar vai oferecer mantas aos idosos, para que possam enfrentar melhor o frio que se aproxima.

No dia 8 de Novembro, segunda-feira, às 15h30m, o Hospital de Braga vai sensibilizar os bracarenses da Associação de Reformados do Centro Histórico de Braga e, no dia 9 de Novembro, terça-feira, pelas 16h, a iniciativa terá lugar na Universidade Bracarense de Autodidactas da Terceira Idade (UBATI).
Nestas associações dedicadas à terceira idade, profissionais de saúde do Hospital de Braga vão fornecer conselhos de como os idosos podem proteger-se do frio, sugerir dicas de prevenção de gripes, constipações, hipotermias e outras doenças associadas ao frio.
Seguir-se-ão momentos de convívio com os idosos, onde será oferecida uma bebida quente bem como um desdobrável com informação que sintetiza as medidas abordadas.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Exercite os seus ossos


Ortopedista aponta a melhor opção para escapar à osteoporose

O tecido ósseo é um tecido vivo em remodelação constante por acção das células que o constituem. Umas, os osteoblastos, produzem osso e outras, os osteoclastos, destroem-no.
«Este equilíbrio é alterado, sobretudo, na mulher a partir da quarta década de vida, por aumento da actividade dos osteoclastos, daí resultando a osteoporose», explica João Azevedo, ortopedista na clínica de Todos-os-Santos.
Esta doença tem grandes repercussões socioeconómicas e leva à perda da qualidade de vida. Quando a osteoporose aparece deve fazer-se um tratamento e, como os factores que conduzem ao aparecimento da doença são múltiplos, este tratamento inclui actividade física.
«Os estímulos mecânicos decorrentes do exercício vão provocar maior actividade dos osteoblastos (células formadoras) e, portanto, produzir mais tecido ósseo e aumentar a resistência do mesmo», esclarece o especialista.
«A marcha é o exercício ideal, com periodicidade de uma hora diária, três vezes por semana», acrescenta, recomendado ainda a marcha ao ar livre, uma vez que o sol estimula a produção de vitamina D, «um factor importante na absorção de cálcio».
Estudos efectuados mostram um aumento de massa óssea de 2,6% ao fim de um ano em mulheres pós-menopáusicas. O exercício em pessoas novas também é muito benéfico para a prevenção da osteoporose, sobretudo para obter um bom capital ósseo antes dos 35 anos.


Fonte "Saúde Sapo"

I Fórum sobre o Envelhecimento - "A arte de saber envelhecer", em São Pedro do Sul

A Câmara Municipal de S. Pedro do Sul, através do projecto "Velhos são os trapos. Marcamos a diferença!", organiza o I Fórum sobre o Envelhecimento "A Arte de Saber Envelhecer", no âmbito das comemorações do Dia Mundial da Terceira Idade.


Programa

09:00 - Abertura a cargo de António Carlos Figueiredo, presidente da Câmara Municipal de S. Pedro do Sul e Rogério Duarte, vereador da Acção Social da Câmara Municipal de S. Pedro do Sul.

09:30 - Mesa I moderada por José Machado, técnico do Núcleo Distrital de Viseu da REAPN - Rede Europeia Anti-Pobreza; "Envelhecimento Activo: desafios e oportunidades", por Lia Araújo, Escola Superior de Educação de Viseu e UNIFAI - Centro de Unidade e Investigação e Formação de Adultos e Idosos do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto.

10:00 - "Envelhecimento Activo: Estimulação cognitiva", por Rita Teles, UNIFAI -- Centro de Unidade de Investigação e Formação de Adultos e Idosos do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto.

11:00 - "Segurança Social: contributos para o envelhecimento", a cargo de Maria Teresa Amaral, Centro Distrital da Segurança Social de Viseu.

11:30 - Debate.

12:30 - Mesa II moderada por Leokádia Aleknavicius Ferreira da Silva, médica de Medicina Geral e Familiar.
"A sexualidade na Terceira Idade", cargo de Manuel Damas, médico, presidente da Direcção da CASA -- Centro Avançado de Sexualidades e Afectos.

14:00 - "Problemas psíquicos associados à Terceira Idade", por Jorge Humberto, director do Serviço de Psiquiatria do Hospital S. Teotónio de Viseu.

14:30 - "Violência contra as pessoas idosas: perspectivas actuais e formas de intervenção", por Rui Dionísio, ACES Dão-Lafões II.

15:00 - Cuidados aos idosos no domicílio: necessidades sentidas pelos familiares cuidadores", por Alexandra Garcia, ACES Pinhal Interior I.

15:30 - "As Unidades de Cuidados Continuados: apresentação da Unidade de Vouzela", cargo de Joaquim Cardão, director Clínico da Unidade de Cuidados Continuados de Vouzela.

16:00 - Debate.

16:30 - Encerramento.

Local: Cine-teatro S. Pedro

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Andar regularmente ajuda a evitar demência em idosos, diz estudo.

Um estudo divulgado por investigadores da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, revelou um benefício para quem se exercita com caminhadas, principalmente os mais idosos.
Caminhar, além de fazer bem para o corpo, é bom para a mente. O exercício aeróbico oxigena o cérebro, desenvolve as células e evita a demência.
Para chegar a essa conclusão, os cientistas norte-americanos reuniram quase 300 pessoas a partir de 1989, todas na faixa dos 78 anos e com boa saúde. Pediram que registassem a distância caminhada por dia.
Treze anos depois, os cientistas constataram doenças como demência em 116 pessoas, 40% do grupo. Já a outra turma – a dos mais saudáveis – era formada por aqueles que mais andavam. Eles não perderam massa cerebral e reduziram pela metade o risco de ter problemas de memória.
Os saudáveis andaram regularmente pelo menos 72 quarteirões por semana. Isso equivale a, aproximadamente, dez quilómetros. Por dia, são quase 1,5 quilómetro.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Uma segunda oportunidade

Na peça Bela Adormecida. Conheça a história e o novo projecto do CCB, Companhia Maior.

A peça Bela Adormecida, que sobe ao palco no próximo dia 28 de Outubro, no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, foi reescrita pelo encenador Tiago Rodrigues e pretende valorizar as memórias e a experiência dos que por cá andam há muito mais tempo e que tanto têm para partilhar. Trata-se da primeira apresentação do projecto Companhia Maior, onde a idade maior é encarada não como uma fatalidade, mas sim como um manancial de oportunidades.
Pensado e desenvolvido pela actual directora da Companhia de Bailado Nacional, Luísa Taveira, este projecto artístico pretende, segundo a mesma, dedicar-se “à criatividade e à expressão artística dessa fase da vida”.
A responsável pelo projecto explica que “uma das facetas que mais valorizamos neste projecto é o contacto entre os artistas maiores e gerações mais novas da criação contemporânea. Acreditamos que o interesse artístico reside, efectivamente, neste contacto e colaboração entre gerações”.

A passagem do tempo

Nesta versão da Bela Adormecida não existe feitiço, nem permaneceram jovens aqueles por quem o tempo passou. Pelo contrário, estiveram sempre acordados, apenas sentem que renasceram, pelo simples exercício de evocar a memória.
É uma história sobre a passagem do tempo e as segundas oportunidades, que junta a dança, o teatro e a música para revelar as histórias e a experiência dos intérpretes. Um espectáculo feito com vozes mais roucas do que é habitual, mas certamente mais sábias e, acima de tudo, capazes de arriscar porque são vozes do presente.

Horário


28, 29 e 30 Outubro, às 21horas

31 Outubro, às 17 horas
Pequeno Auditório - Sala Eduardo Prado Coelho



Preços

Plateia - 12,5€

Laterais - 10€



Informações ou Reservas

Através do telefone (+351) 707 303 000 e fax (+351) 21 361 25 60, 
email: bilheteiraccb@ccb.pt

terça-feira, 5 de outubro de 2010

IDOSOS -CONSELHOS PARA EVITAREM SER VÍTIMAS DO CRIME

O QUE DEVE FAZER

- Telefone frequentemente aos seus filhos, estabeleça visitas regulares e mantenha uma boa comunicação com os seus familiares.

- Seja sociável. Tenha uma genuína relação com os seus amigos e vizinhos. Eles podem ser o seu único apoio em determinadas situações. Cultive novos amigos e participe em actividades sociais. Não se isole.

- Adopte o hábito de ligar as luzes, correr os cortinados e fechar as portas e janelas à chave quando se vai deitar.

- Quando viaja em transportes públicos procure evitar horas de ponta e apertos onde lhe podem roubar facilmente a carteira. No autocarro é sempre mais seguro sentar-se num lugar perto do motorista.

- Quando anda às compras é uma boa ideia ter o dinheiro separado. Isto é, o dinheiro para os transportes e pequenas despesas deve ser guardado em separado de outras quantias mais avultadas que necessite transportar. Deste modo, para além de não se arriscar a perder o dinheiro, caso seja assaltado não lhe levarão o dinheiro todo.

- Ao voltar para casa, tenha as chaves à mão e não fique muito tempo à porta.

- Se tem que sair de noite é melhor ser acompanhado por um familiar ou amigo. Assim vai diminuir consideravelmente as probabilidades de ser vítima de assalto.

- Tenha muita cuidado com situações que envolvem empréstimos de dinheiro. Deve verificar as referências de qualquer pessoa que lhe proponha um negócio, seja ele qual for. Tenha uma atenção especial quando lhe querem impingir cartões de crédito ou seguros. Procure obter conselhos de um especialista antes de assinar qualquer contrato ou fazer uma despesa que envolva grandes somas.

- Desconfie das ofertas enviadas pelo correio. Elas são apenas um chamariz e a intenção é outra. Se lhe telefonarem a dizer que ganhou um prémio (seja uma viagem ou outra coisa qualquer), depois de lhe fazerem duas ou três perguntas (que até o seu neto de 3 anos saberia responder), não acredite e desligue simplesmente o telefone.

- Se algum estranho lhe bater à porta dizendo que é de uma empresa de serviços públicos (Telefones, TV Cabo, Electricidade, Água), ou de outra empresa qualquer, mesmo que esteja fardado, exija sempre que a pessoa se identifique e verifique bem se o cartão é autentico e a fotografia corresponde à cara da pessoa. Os bons modos, uma boa apresentação ou um uniforme não chegam. Precisa ter muito cuidado com estas situações. Em caso de dúvida telefone para a empresa que dizem representar, ou ligue para a polícia. Ao atender a pessoa, mantenha a corrente de segurança ou similar instalada na sua porta.

- Não se deixe enganar por supostos mestres, professores, astrólogos, tarólogos, médiuns, videntes e de outras artes afins. (Especialmente africanos e não só…que enchem as páginas dos jornais e revistas de anúncios com as suas próprias fotos…e prometem felicidade, curas, amor e riquezas…) Assim como de seitas religiosas que lhe dizem que tem de contribuir monetariamente para agradar a Deus. Todos eles querem apenas duas coisas de si: o seu dinheiro e, mais uma vez, o seu bendito dinheiro.

- Se precisar de fazer obras em casa, dirija-se a pessoas devidamente qualificadas. Peça sempre um recibo, particularmente quando os valores em causa são avultados.


O QUE DEVE EVITAR

- Não pare para conversar com estranhos e evite os carros estacionados com o motor ligado.
- Não chame a atenção onde quer que esteja. Vista-se discretamente e evite exibir dinheiro ou usar jóias de valor.
- Não leve bolsas ou malas de mão e, se levar alguma, nunca a perca de vista nem a largue.
- Afaste-se de grupos de adolescentes, bem como ruas e estradas isoladas e com pouco trânsito.
- Evite entrar no elevador com pessoas desconhecidas.
- Não tenha grandes somas de dinheiro em casa.
- Não queira ser herói, em caso de assalto, entregue os objectos de valor. A sua vida é o bem mais precioso.

NÃO HESITE EM PEDIR AJUDA

Se precisar de ajuda, peça-a. Não espere que alguém venha em seu auxílio. A espera pode atrair alguém que procure objectos de valor para roubar. Sempre que possível a família deve ser a sua referência principal de ajuda. Se vai pensar que pode “ser um peso” para os seus filhos, lembre-se que também os ajudou quando eles precisaram de si.

Não se esqueça que o 112 é o número nacional de emergência. Pode também pedir auxílio numa esquadra da polícia, na corporação de bombeiros e até numa loja onde seja cliente. Assim como no centro de saúde da sua residência, nos serviços de urgência dos hospitais e nos organismos de assistência a vítimas.

Se for vítima de um crime, participe-o. Todos nós agradecemos. Mesmo que a polícia não consiga apanhar os assaltantes, a partir do momento que sabem da existência de um maior número de assaltos em determinada localidade sempre podem reforçar a vigilância.

Metade dos crimes de que são vítimas as pessoas de idade nunca são participados. Isso acaba por trazer benefícios mais para o lado dos criminosos. Logicamente, um assaltante não pode ser preso se a polícia não souber que foi cometido um crime. Portanto, participe sempre qualquer crime de que seja vítima.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Dia Internacional do Idoso, 1 de Outubro de 2010

A campanha «Pela diversidade. Contra a discriminação.» visa combater a discriminação com base em diferentes motivos, incluindo a discriminação em razão da idade, a qual é dirigida contra os jovens e as pessoas idosas.

O Dia Internacional do Idoso comemora a contribuição que as pessoas idosas oferecem à sociedade e chama a atenção para os problemas que as afectam como, por exemplo, quando são vítimas de maus-tratos. Este ano celebra-se o 20.º aniversário da instituição do Dia pelas Nações Unidas (ONU). As actividades que têm lugar por todo o mundo, incluindo um evento no dia 7 de Outubro na sede da ONU em Nova Iorque, concentram-se no progresso alcançado na implementação dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, que apoiam os princípios de igualdade e dignidade humanas, bem como o seu impacto nas pessoas idosas.

Para obter mais informações sobre questões relacionadas com as pessoas idosas a nível europeu, contacte a Plataforma AGE Europe.

A campanha também produz recursos que abordam a discriminação contra as pessoas idosas como, por exemplo, um questionário, apresentações utilizadas para formação e filmes.


quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Combater a violência (Em pessoas mais velhas).

 É este o tema da nova campanha da APAV que será lançada em breve.

A nova campanha da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), a ser lançada em breve, pretende sensibilizar os portugueses para um novo flagelo que nos últimos anos tem crescido em Portugal: violência em pessoas idosas.
O envelhecimento da população e a precária situação económica são apontados como os principais motivos para o aumento de maus tratos e abandono na população com mais de 65 anos. O número de vítimas passou de 290, em 2000, para 639, em 2009, o que representa um aumento de 120 por cento. Os dados são do último relatório da APAV publicado este ano.

Também na Linha do Cidadão Idoso (800 20 35 31), criada pelo Provedor da Justiça, o número de queixas e denúncias aumentaram substancialmente de 2009 para 2010. Desde o início do ano, o serviço recebeu 176 queixas de maus tratos físicos e psicológicos e 79 denúncias de abandono, o que representa um aumento de 40 e 25 por cento, respectivamente.

Os agressores são quase sempre familiares e, na maior parte dos casos, os próprios filhos. E, de acordo com os dados recolhidos pela Linha do Cidadão Idoso, muitos dos familiares ficam com o dinheiro das pensões dos idosos.

Abandono é violência

A nova campanha da APAV que terá alguns spots e acções de formação a decorrer paralelamente, bem como um manual de procedimentos, vai ser lançada já no próximo dia 7 de Outubro com particular destaque para o abandono, considerada pela Associação como uma "forma de violência".

Para a Associação é fundamental que as pessoas percebam o que é envelhecer e que estejam preparadas para alguns quadros de depressão e demência que podem acontecer aos seus familiares. Com a inversão da pirâmide etária, vamos ter cada vez mais idosos e pessoas mais velhas a tratar delas que não estão preparadas e reagem por exaustão. É o chamado "stress do cuidador".


Apoio à vítima

Desde que foi fundada em 1990, a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima tem prestado apoio e informação aos cidadãos vítimas de infracções penais. E, ao longo desses 20 anos, a APAV tem alertado a sociedade portuguesa para alguns flagelos como a violência doméstica ou, mais recentemente, para a violência em pessoas idosas. A associação tem à disposição gabinetes de apoio que, de acordo com os recursos da sua rede de voluntariado, prestam serviços de apoio emocional, jurídico, psicológico e social.

As vítimas podem também pedir informações ou apoio através da linha 707 20 00 77, das 10h às 13h e das 14h às 17h. nos dias úteis. Para mais esclarecimentos pode consultar a página oficial da instituição www.apav.pt. .

Fonte: "Idade Maior"

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Acabei o estágio!!!

Na semana passada acabei o estágio e correu super bem. Já tenho saudades daquela casa maravilhosa, daqueles utentes queridos e de todo o pessoal que trabalha lá : Drª Iolanda, Laudelina, Minas, Cidália, Irene e restantes colegas.
O saldo foi positivo, aprendi imenso e adquiri mais experiencia. O estágio torna-se verdadeiramente necessário depois de dois anos intensivos mas em que tudo o que aprendemos está apenas em papeis e na nossa cabeça, claro. A parte pratica aí sim nos mostra se estamos verdadeiramente preparados para exercer, se vamos estar à altura de tamanha responsabilidade mas, sobretudo, se nos sentimos com gosto e vontade para o fazer. Porque neste tipo de trabalho, mais que a experiencia e preparação é necessário ter coração e sensibilidade, saber ouvi-los e acarinhá-los....
Percebi que é nesta área que quero trabalhar de alma e coração e, sobretudo gostava de apostar nos cuidados continuados, a ver vamos o que o futuro me reserva......
Uma vez mais agradecer a todos quantos fazem parte do CENTRO SOCIAL E PAROQUIAL DE GANDRA, obrigado e beijinhos!!

domingo, 8 de agosto de 2010

Centro Social e Paroquial de Gandra

Este é o meu local de estágio: CENTRO SOCIAL E PAROQUIAL S. MIGUEL DE GANDRA


Estou a adorar. Um local muito agradável, com muito conforto e amizade para receber os idosos.
O pessoal recebeu-me de braços abertos. A dra. Iolanda directora, a Laudelina com quem trabalho mais directamente, as cozinheiras e restantes colegas (D. Irene do serviço de apoio domiciliário e restantes) muito profissionais, sempre de sorriso e coração aberto.

Aqui os meus meninos (como carinhosamente os trato). Também eles me receberam muito bem...
Praticamente o que faço é ir buscá-los a suas casas para o Centro , fazer higienes e dar-lhes banho, auxiliar na alimentação e sobretudo dar-lhes amizade, um carinho, uma palavra, escutá-los e contribuir para que ali passem um dia bem animado e se sintam bem acompanhados.
Se assim for penso que o estágio valeu a pena e me forneceu ainda mais ferramentas e experiencia para que no futuro tudo vá correr da melhor forma e consiga o meu objectivo: que os idosos sejam mais felizes, saudáveis, respeitados e sempre incluidos na sociedade de forma a sentirem-se pessoas úteis e capazes.

Turismo de bem-estar- Aproveite...

Está a aumentar em Portugal. Saiba as razões porque muitas pessoas procuram termas para descansar e tratar do corpo.

A procura de locais para descansar e tratar o corpo está a aumentar de ano para ano em Portugal. Só em 2009, quase 100 mil pessoas procuraram refúgio e descanso em estâncias termais, de acordo com dados da Associação Termas de Portugal (ATP), mais 1,1 por cento do que no ano anterior.
Hoje em dia, as estâncias termais são locais de luxo que aliam a saúde aos tratamentos de beleza e bem-estar. E, embora a maioria dos clientes ainda procure as termas unicamente para tratar problemas de saúde, o número de pessoas que optam por fazer turismo de bem-estar está a crescer significativamente. Quem experimenta garante que os benefícios são vários, inclusivamente dormir melhor.
Mais qualidade de vida é o que leva os portugueses a optarem por férias em estâncias termais, ao invés da praia ou do estrangeiro.

Não curam, mas ajudam

As propriedades benéficas da água termal não curam, mas ajudam no tratamento de algumas doenças como o reumatismo ou os problemas respiratórios. O turismo de bem-estar é ideal para quem pretende relaxar e tratar o corpo e mente.

No entanto, para se “ir a banhos” é necessária uma prescrição médica. Os tratamentos não são aleatórios e as estâncias termais são obrigadas a ter um corpo clínico que prescreve quais os tratamentos mais indicados a fazer.
Com o aumento da procura, a oferta tem também crescido (e melhorado) nos últimos anos. Só entre 2008 e 2010, foram reabertas ou renovadas as termas do Estoril, Pedras Salgadas (Vila Pouca de Aguiar, Vila Real), Unhais da Serra (Covilhã, Castelo Branco), Almeida, Cabeço de Vide (Guarda), (Portalegre), Monção (Viana do Castelo), São Vicente (Sagres), Nisa (Portalegre) e Monte Real (Leiria).

Conheça as indicações terapêuticas de algumas delas (para mais informações consulte o site www.termasdeportugal.pt):


Zona Norte
Termas de Chaves: recomendada no tratamento de patologias do aparelho digestivo, músculo-esquelético e reumatismal, afecções crónicas e alérgicas, das vias respiratórias.
Termas de Caldelas: tratamento de perturbações do aparelho digestivo, pele e reumatismo.
Termas de Vizela: tratamento de reumatismos crónicos, doenças das vias respiratórias e doenças de pele.
Termas de Melgaço: tratamento de afecções das vias respiratórias, reumáticas e músculo-esqueléticas, diabetes.
Termas Pedras Salgadas (Vila Pouca de Aguiar): indicadas para afecções das vias respiratórias, do aparelho digestivo, reumáticas e músculo esqueléticas.


Zona Centro
Termas do Luso: indicada para problemas das vias respiratórias, nefro-urinários, reumáticos e músculo-esqueléticos e afecções do aparelho circulatório.
Termas das Caldas da Rainha: trata afecções das vias respiratórias, reumáticas e músculo esqueléticas.
Termas de Monfortinho: trata doenças crónicas da pele (psoríase, eczemas, acne, celulite, úlceras), hepato-vesiculares e intestinais, reumáticas (artrose, espondilose, tendinite, fibromialgia, etc), afecções das vias respiratórias, litíase renal.
Termas de Unhais da Serra: tratamentos do foro respiratório, reumatismais, sequelas de traumatismos osteoarticulares, aparelho digestivo e circulatório.
Termas do Estoril: indicada nos tratamentos de doenças do aparelho respiratório, da pele, reumáticas e músculo-esqueléticas.
Termas de S. Pedro do Sul: trata afecções das vias respiratórias, reumáticas e músculo-esqueléticas, doenças metabólico-endócrinas, Medicina física e reabilitação.
Termas do Vimeiro: afecções das vias respiratórias, do aparelho digestivo, do aparelho circulatório, doenças de pele e patologias dermatológicas.


Alentejo
Termas de Nisa: tratamentos músculo-esquelético e respiratório.
Termas de Cabeço de Vide: indicada em doenças osteoarticulares e reumatismais crónicas, alergias das vias respiratórias e doenças crónicas da pele.
Termas de Monte de Pedra: indicada para problemas reumatológicos, problemas respiratórios de vias altas, tratamentos termais para crianças.


Algarve
Termas das Caldas de Monchique: indicada para afecções respiratórias e músculo-esqueléticas.

Açores
Termas das Furnas: trata afecções das vias respiratórias, dores de coluna e reumáticas, doenças de pele.
Termas do Carapacho: indicada para afecções das vias respiratórias e reumáticas.

Fonte: Idade Maior

terça-feira, 20 de julho de 2010

Finalmente o Estágio...


Queridas amigas (os) e seguidores em geral, ao longo de todo este tempo de blog vim a destacar a importância da Geração Sénior, aquilo que podemos fazer para ajudar e contribuir para que estes sejam felizes e mais saudáveis a todos os niveis. Queria sobretudo que fossem pessoas menos sós, com mais saúde, mais compreendidas e respeitadas. Não sei se com esta iniciativa consigo chegar a esse objectivo (mas assim o espero) mas agora também tenho a oportunidade de fazê-lo na pratica..
Passo a explicar:
Estou a duas semanas do fim do curso de Técnica/Agente de Geriatria e ao longo destes dois anos aprendi muito mas apenas teoricamente, no entanto vou agora (FINALMENTE) começar o meu estágio e assim pôr em pratica todos os ensinamentos mas sobretudo quero estar ao lado deles, oferecer os meus sorrisos, o meu carinho, dar-lhes algum conforto e tudo o mais que lhes possa dar . Espero que também eles estejam receptivos e que tudo corra pelo melhor.
Um grande beijinho!!
(ah e o blog continuará sempre em força)

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Tem mais de 60 anos?-Saiba qual o exercício mais adequado para si...

Qualquer altura é boa para ficar em forma. Diga adeus à inércia, calce uns sapatos de desporto e desfrute o movimento do seu corpo.

Todos os momentos são bons para deixar o sedentarismo de lado e entregar-se à actividade física. O exercício liberta endorfinas e é um estimulante natural.
Para além disso, ajuda a manter a silhueta, melhora a sua saúde física (aumenta a capacidade pulmonar, atenua o ritmo cardíaco, mantém o colesterol sob controlo, a diabetes, a hipertensão...) e psíquica (potencia a autoestima), proporciona euforia, melhora a memória, afugenta o stress...

Pré-requisitos:

- Avaliação cardiovascular completa, porque o risco aumenta com a idade.

- Controlo do colesterol, triglicéridos e da tensão arterial em repouso e em esforço.

- Densiometria óssea para avaliar o grau de osteoporose.


O que mais lhe convém

- Seja activa (o) mas não se canse. O seu grau de actividade vai depender muito da sua forma física, mas mesmo que toda a vida tenha sido sedentária, vale sempre a pena começar a praticar exercício de forma moderada e contínua.

- O mais importante é que daqui para a frente vai estar a melhorar a sua saúde.

Exercício aeróbio + trabalho muscular: O ideal é realizar uma actividade moderada, que para além de queimar calorias tonifique os músculos, evitando o impacto excessivo sobre as articulações (provocado, por exemplo, ao saltar).

As actividades mais recomendáveis são a bicicleta estática e a natação. Caminhar uma hora por dia a um ritmo ligeiro também é uma actividade adequada.


Uma boa opção

Opte pelo Yoga. Tem benefícios físicos e psíquicos muito interessantes em qualquer idade, mas sobretudo agora. Recomenda-se, especialmente, a pessoas mais velhas que não possam saltar ou fazer qualquer outro tipo de exercício aeróbio.

A nível físico, alivia muitas doenças, já que a sua prática fortalece o corpo e produz uma sensação de bem-estar. Beneficia a concentração.


Fonte : "Saúde Sapo"

terça-feira, 6 de julho de 2010

Alzheimer: Cientistas descobrem diagnóstico precoce

Grande desafio é agora travar a progressão da doença

Um grupo de cientistas do King´s College of London anunciou que descobriu uma forma de diagnóstico precoce para a doença de Alzheimer, através da relação provada entre os níveis de clusterina no sangue e o aparecimento da doença.

De acordo com um estudo, que envolveu 95 doentes ao longo de cinco anos, os investigadores britânicos concluíram que as alterações dos níveis da proteína no sangue começam a verificar-se dez anos antes dos primeiros sinais de Alzheimer. Agora, têm pela frente mais um ano de laboratório, para criarem um teste que possa ser usado como rotina nos hospitais.

A grande questão em torno da doença é «tentar identificar o conjunto de marcadores que possam alterar a sua progressão», pelo que esta descoberta é de aplaudir, considerou um investigador da Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho, em declarações à TSF.

Ainda segundo Nuno Sousa, o facto de os investigadores terem ligado uma simples análise sanguínea ao aparecimento da doença de Alzheimer e criado um diagnóstico precoce, que, até agora, não existia, poderá permitir uma aplicação de «um conjunto de fármacos, de forma eficaz para o doente», como prevenção do Alzheimer, que, actualmente, atinge 35 milhões de pessoas a nível mundial.

De acordo com os mais recentes dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o número de pessoas afectadas pela doença neurológica poderá duplicar nas próximas duas décadas.


Fonte: Diário Digital / Lusa

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Alguns exercícios para fazer com pessoas acamadas ou em cadeira de rodas

Exemplos de alguns exercícios que podem ser feitos com a pessoa cuidada na cama ou na cadeira de rodas:

• Movimente cada um dos dedos dos pés, para cima e para baixo, para os lados e com movimentos de rotação.

• Segure o tornozelo e movimente o pé para cima, para baixo, para os dois lados e em movimentos circulares.

• Dobre e estenda uma das pernas, repita o movimento com a outra perna (sem atritar o calcanhar na cama, que favorece o surgimento de feridas).

• Com os pés da pessoa apoiados na cama e os joelhos dobrados, faça movimentos de separar e unir os joelhos.

• Com os pés apoiados na cama e os joelhos dobrados, solicite que a pessoa cuidada levante os quadris e abaixe lentamente.

• Levante e abaixe os braços da pessoa, depois abra e feche.

• Faça movimentos de dobrar e estender os cotovelos, os punhos e depois os dedos.

• Ajude a pessoa a flexionar suave e lentamente a cabeça para frente e para trás, para um lado e depois para o outro, isto alonga os músculos do pescoço. Estimule para que a pessoa faça os movimentos sozinha, se necessário o cuidador pode ajudá-la. No caso de tonturas suspenda o movimento até melhora do sintoma.

Peça à pessoa cuidada que encha as bochechas de ar e depois murche a bochecha para dentro; a seguir peça a ela que coloque a língua para fora e movimente de um lado para o outro; feche os olhos com força fazendo caretas.

É importante que o cuidador estimule a pessoa cuidada a utilizar ao máximo o lado do corpo que está mais comprometido, realizando com o lado afetado todos os exercícios citados anteriormente. Caso seja necessário, o cuidador pode ajudá-la na realização desses exercícios..

15 cuidados que os idosos devem ter na prática de exercício físico

São muitos os benefícios que a prática regular de exercício físico traz para os idosos, no entanto, existem alguns cuidados que devem ser tidos em conta para evitar dores, desconforto, acidentes, lesões e manter a motivação em alta. A prevenção é, como sempre, o melhor caminho a seguir.




1.Consultar sempre o médico assistente antes de iniciar qualquer plano de exercício físico.

2.Começar devagar, principalmente se já não pratica exercício físico há muito tempo – 10 minutos duas vezes por dia ou uma aula semanal, para depois ir aumentando muito gradualmente.

3.Nunca descurar os exercícios de aquecimento e de relaxamento no início e no final de cada sessão de ginástica.

4.Esperar pelo menos duas horas depois de cada refeição antes de praticar qualquer tipo de exercício físico.

5.Manter-se hidratado durante qualquer atividade física – o idoso deve beber água antes, durante e depois da cada sessão de ginástica.

6.Saber praticar corretamente a atividade física e assegurar que esta é, acima de tudo, segura. Se praticar ciclismo deve usar um capacete apropriado, por exemplo.

7.O idoso deve familiarizar-se com o local onde pratica exercício físico, nomeadamente os perigos existentes, para evitar qualquer tipo de acidente ou lesão.

8.Sempre que praticar exercício físico, o idoso deve vestir roupa larga e confortável, que facilite os movimentos. Se estiver ao ar livre, o vestuário deve ser de cores bem visíveis e/ou complementado por um colete refletor.

9.O calçado que o idoso utilizar para praticar exercício físico é muito importante: deve ser apropriado ao tipo de atividade que vai ser praticada; deve ter uma sola lisa, que não escorregue e que não seja nem muito alta, nem muito baixa; deve conter espaço suficiente para mexer bem todos os dedos dos pés e proporcionar o apoio total do calcanhar.

10.O idoso deve praticar exercício físico ao ar livre sempre que possível, evitando naturalmente as horas de maior calor e frio. Se a sua atividade física decorrer num espaço fechado, deverá ter em atenção a qualidade do ar, principalmente se tiver problemas respiratórios.

11.Quando o tempo estiver frio ou chuvoso, o idoso pode fazer a sua caminhada habitual dentro de um centro comercial, por exemplo.

12.Se sentir qualquer um dos seguintes sintomas – tonturas, falta de ar, náuseas, dor ou pressão no peito, braço, ombro ou pescoço; suores frios ou qualquer tipo de dor nas articulações – o idoso deve parar imediatamente.

13.Se o idoso tiver alguma articulação inchada, vermelha e sensível ao toque, deve evitar qualquer tipo de exercício físico e procurar o médico no caso de os sintomas persistirem.

14.Se o idoso se sentir doente, com tosse, febre, constipado ou com gripe, deve adiar a ginástica para quando estiver completamente recuperado.

15.Depois de uma doença ou lesão, um idoso deve recomeçar o seu plano de exercício físico do início e não retomar no ponto em que estava antes da sua paragem.
 
Fonte "cuidamos.com"

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Ganhe dez anos de vida


Sendo feliz e assim prevenindo futuras doenças. Saiba quais os resultados de vários estudos surpreendentes nesta área.

Parece ser do senso comum que ser feliz é benéfico para a nossa saúde mas, nos últimos anos, investigações da área da psicologia não chegaram a consenso quanto a esta questão até aqui tida como mais do que evidente. Alguns estudos confirmam a opinião geral, outros não descobrem efeitos directos e alguns até dão conta de efeitos negativos da felicidade na nossa saúde.

Um artigo recente publicado no Journal of Happiness Studies e assinado pelo professor Ruut Veenhoven da Universidade Erasmus, apresenta uma proposta de solução para esta questão. Ao rever os resultados de trinta outros estudos, descobriu que tanto os resultados neutros como os negativos quanto aos efeitos da felicidade na saúde remetem para estudos sobre pessoas que, à data, estavam doentes.
Em comparação, estudos sobre pessoas que estavam de boa saúde na altura do inquérito têm como resultado uma correlação directa: mais feliz, logo mais saudável. Daí que Veenhoven conclua que, embora a felicidade talvez não tenha um efeito benéfico na saúde daqueles que estão doentes, ajuda, com toda a certeza, a prevenir a doença naqueles que estão de boa saúde.

Aliás, um estudo muito particular (e até surpreendente) que teve por objecto de análise freiras, descobriu que todas as que tinham tido um início de vida mais mais feliz, viveram dez anos mais do que as que foram infelizes na juventude.

Mais: um outro estudo que analisou 660 habitantes do estado americano de Ohio, concluiu que níveis altos de felicidade traduzem-se, em média, por mais sete anos e meio de vida.



Como ser feliz

O que é a felicidade e o que é que nos faz feliz é algo de muito pessoal e variável, mesmo em termos culturais. No entanto, existem certos princípios gerais que começam a emergir na área da chamada psicologia positiva, princípios esses que iremos abordar nos próximos artigos. Por exemplo, a felicidade sustentável, a sabedoria de Confúcio ou os perigos do materialismo.



Fonte: "PsyBlog"

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Cuidar dos nossos idosos em casa

As famílias que cuidam de idosos em casa estão a tornar-se cada vez mais: sejam pais, avós, bisavós, familiares ou amigos próximos, a opção de trazer um idoso para casa ganha muitas vezes a
à de querer instalá-los num lar. No entanto, cuidar de idosos em casa é um passo gigante, que deve ser dado com muita consciência, planeamento e boa vontade.

Ponderar & Decidir

Tomar a decisão de cuidar de idosos em casa não deve ser feita de forma espontânea, nem de ânimo leve – cuidar de um idoso, esteja ele doente, acamado ou em perfeita saúde, é uma grande responsabilidade. Antes de tomar a decisão de cuidar de um idoso em casa, coloque a si e à sua família as seguintes questões:

A sua família está preparada para receber um novo elemento em casa?
Como reagiu o seu parceiro(a)?
Tem crianças muito pequenas em casa? Os seus filhos ainda necessitam de muita atenção?
É possível conciliar a sua vida profissional com o papel de prestador de cuidados?
Tem flexibilidade no trabalho, no caso de surgir alguma emergência ou quando tiver de ir ao médico com o idoso, por exemplo?
Tem a possibilidade de trabalhar em casa?
O idoso pode ficar sozinho em casa enquanto vai trabalhar?
Terá de contratar alguém para estar com o idoso durante o dia?
Em termos financeiros, é possível suportar a ida do idoso para a sua casa? O idoso tem recursos financeiros? Pode contribuir?
Tem espaço suficiente em casa para receber e cuidar do idoso?
A casa é segura para o idoso?
Terá de fazer algum tipo de adaptação na casa? Comprar mobiliário/equipamento novo?
Está preparado para tratar da higiene pessoal do idoso?
Muitos idosos precisam de ser apoiados, carregados e levados de um lado para o outro – está fisicamente preparado para isso?
Se o idoso tem alguma doença, será que é capaz de lidar com isso diariamente?
Está preparado para abdicar do seu tempo livre ou parte do mesmo para cuidar do idoso?
Tem um círculo de apoio de familiares e amigos que já se disponibilizaram para ajudar ou está sozinho nesta tarefa?
A família está emocionalmente preparada e é emocionalmente forte para lidar com um idoso e os cuidados que este exige ou já têm muitos problemas que vos ocupem?
Está preparado para assistir ao envelhecimento e, eventualmente, à morte do idoso?
O idoso não estaria melhor num lar de idosos?

Parecem muitas questões e dúvidas mas para o seu bem estar e principalmente do idoso, é necessário reflectir bem.

Planear & Preparar

Tomada a decisão de cuidar de um idoso em casa, segue-se a fase de planeamento e de preparação que requer uma reflexão igualmente responsável e ponderada. Estas são algumas dicas que deve ter em consideração se vai passar a cuidar de um idoso em casa:

Assegurar que todas as divisões da casa, incluindo escadas e corredores, estejam bem iluminadas.
Instalar interruptores iluminados, que são mais fáceis de localizar durante a noite; ou então instalar luzes de presença em toda a casa.
Assegurar que a cadeira utilizada pelo idoso é suficientemente alta e que esteja equipada com apoios para os braços.
Colocar barras de apoio na cama para facilitar o deitar e o levantar ou, em alternativa, adquirir uma cama mais baixa.
Adquirir uma cama articulada ou outro tipo de mobiliário/equipamento adequado ao idoso.
Colocar uma poltrona no quarto, para que o idoso se possa sentar na hora de se vestir e calçar.
Colocar barras de apoio nos duches/banheiros e ao lado das sanitas; ou optar por instalar uma sanita mais alta.
Instalar um chuveiro flexível e uma cadeira de banho para facilitar os duches.
Colocar um tapete antiderrapante na banheira/duche.
Comprar uma arrastadeira para os idosos terem no quarto durante a noite.
Substituir as maçanetas redondas por maçanetas horizontais que torna mais fácil abrir e fechar portas.
No caso de o idoso deslocar-se numa cadeira de rodas, instalar rampas de acesso.
Instalar um corrimão em todas as escadas da casa.
Remover tapetes escorregadios ou protegê-los com um antiderrapante.
Organizar ou retirar mobiliário de forma a criar um espaço de fácil circulação para o idoso.
Esconder ou remover fios suspensos, muito compridos ou atravessados no chão.
Evitar ter muitos espelhos porque os reflexos podem facilmente assustar ou confundir alguns idosos.
Tudo o que estiver guardado em armários e que os idosos possam precisar, deve ser colocado em prateleiras baixas e de fácil acesso – isto aplica-se à cozinha, casa de banho, quarto e qualquer outra divisão habitualmente utilizada pelo idoso.
Organizar o guarda-roupa do idoso, agrupando o vestuário por tipo – camisas, camisolas, calças, saias, vestidos…
Substituir os relógios tradicionais por relógios digitais; substituir os comandos e pelo menos um telefone por modelos com teclas maiores e de fácil manuseamento.

Cuidar & Amar

Com a casa pronta para receber o idoso com segurança e conforto, seguem-se os cuidados diários que, para além de incluírem o tratamento da sua roupa, uma alimentação saudável, a administração correta dos medicamentos e o acompanhamento ao médico, é importante mostrar o carinho e o amor que tem pelo idoso de outras formas, incentivando-o a viver uma vida o mais ativa e plena possível. Algumas ideias para cuidar de um idoso diariamente incluem:


Incentivar o idoso a ter uma vida social, para encontrar-se com o seu grupo de amigos frequentemente, por exemplo.

Organizar atividades a dois ou com toda a família, que envolvem o idoso – pode ser um passeio à praia, uma sessão de cinema ou almoçar fora.

Inscrever o idoso num centro de convívio ou universidade sénior, onde existam atividades do seu interesse.

Motivar o idoso para ir ao cabeleireiro/barbeiro regularmente.

Incentivar o idoso a praticar exercício físico.

Guardar algum tempo para conversar diariamente com o idoso.


Manter o idoso a par de tudo aquilo que se passa em casa, com a família mais chegada e até a mais afastada.


Possibilitar que o idoso leia os livros/jornais/revistas que sempre apreciou; que ouça o seu tipo de música preferida; que assista aos seus programas televisivos favoritos.


Disponibilizar-se para levar o idoso às compras ou a qualquer outro local que possa precisar ou onde lhe apeteça ir.


Certificar que os óculos, o aparelho auditivo ou qualquer outro equipamento de auxílio do idoso estão de acordo com as suas necessidades atuais.


Incentivar o idoso a manter, dentro dos possíveis, a sua própria independência.

Fonte "Cuidamos"

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Porque nunca é demais lembrar...

Tenha um Envelhecimento Activo


O envelhecimento activo é um aspecto central, devendo ser promovido quer a nível individual, quer a nível colectivo.



Individualmente, o envelhecimento activo pode ser entendido como o conjunto de atitudes e acções que podemos ter no sentido de prevenir ou adiar as dificuldades associadas ao envelhecimento. As alterações físicas e intelectuais que ocorrem com o envelhecimento variam de pessoa para pessoa e dependem das características genéticas e hábitos tidos durante a vida. É sempre oportuno salientar a alimentação saudável, a prática adequada de desporto, uma boa hidratação, repouso e exposição moderada ao sol, não esquecendo as consultas de seguimento do médico assistente. O bem-estar psíquico e intelectual (memória, raciocínio, boa disposição) − fundamentais no envelhecimento activo e saudável − também de protegem e promovem com cuidados permanentes: leitura regular, participação activa na discussão dos assuntos do quotidiano, realização de jogos que estimulam raciocínio, manutenção de actividades dentro e fora de casa (passeios, visitas, voluntariado…), participação em tarefas de grupo ou eventos de associativismo, entre outros.

Em vários países da Europa (Espanha, Holanda, Reino Unido, Suécia, entre outros) estas orientações têm sido implementadas, com particular relevo de programas de natureza inter-geracional. Também em Portugal é defendida a importância destas iniciativas, sendo que as escolas têm um papel importante a este nível. Há investigadores nacionais que defendem até a necessidade de “educar para a velhice” desde as idades mais precoces. Com efeito, na abordagem da terceira idade, o encontro e convivência das várias gerações através de eventos comemorativos de datas especiais, envolvimento no processo de pesquisa sobre as tradições, costumes, depoimentos de memórias, transmissão de conhecimentos práticos (gastronomia, artesanato, profissões em vias de extinção, saberes agrícolas…). Acima de tudo, há que assumir e transmitir que a pessoa idosa têm uma vida de trabalho, experiência e sabedoria, que não pode ser negligenciado e desperdiçado, em benefício da própria sociedade. Por outro lado, educam-se os mais jovens para os afectos e valores de respeito, dignidade, solidariedade e responsabilidade para com os mais vulneráveis. Um dia, também eles serão pessoas idosas − necessariamente diferentes! − mas sempre iguais no valor de pessoa humana.


Fonte "Portal Saúde Pública"

domingo, 6 de junho de 2010

Papéis invertidos

Depois de uma certa idade, os nossos pais ficam frágeis e precisam de carinho e atenção. Saiba como retribuir os cuidados que recebeu.

Com o passar dos anos, a relação familiar entre pais e filhos inverte-se e os pais que durante tanto tempo cuidaram dos filhos e da casa, ficam frágeis e passam a ser eles a precisar de cuidados, carinho e atenção. No entanto, com a crescente exigência profissional dos dias de hoje, tornou-se cada vez mais difícil dar atenção aos idosos, seja por falta de tempo ou de organização.

Mas com um pouco de planeamento é sempre possível, mesmo para quem tenha uma agenda muito preenchida, programar vários momentos de qualidade com os membros mais idosos da família.

Coloque no seu calendário

Procure dedicar algum algumas horas semanais aos familiares idosos e, sempre que possível, com regularidade. Aliás, o melhor é estabelecer um dia da semana para almoçar ou jantar, mas sem nunca confundir quantidade com qualidade. Eles podem valorizar muito mais um almoço todas as semanas do que 15 dias de férias por ano. O facto de aumentar o tempo que passa com eles e, inclusivamente, estipular um dia certo, passa a mensagem que se preocupa e aprecia a sua companhia.

Atenção vs Ajuda

Para se preservarem e protegerem, os idosos tendem a mostrar-se irritados e a desviarem com sarcasmo e de forma brusca, comentários e perguntas sobre a capacidade de cuidarem de si próprios. É perfeitamente aceitável que tente obter informações sobre o seu bem-estar, com sinceridade e cordialidade, mas nunca assuma que eles deixaram de ser autónomos a menos que os mesmos lhe digam isso.

Ofereça-se para limpar a casa ou preparar uma refeição, se assim o precisarem ou necessitare, mas o mais provável é que valorizem mais a a atenção e presença do que ajuda.


Férias em conjunto

Tente programar umas férias em conjunto; não têm de ser dispendiosas, num sítio especial ou muito prolongadas. O mais importante é poderem passar algum tempo em família, daí que um fim-de-semana prolongado seja mais do que suficiente. Aliás, a própria viagem, preferencialmente de carro, é metade da diversão. Aproveite o momento para contar piadas e ficar a par dos últimos acontecimentos familiares.


Aprender um passatempo novo

Durante as suas visitas aproveite para realizar algumas actividades em conjunto tal como aprender uma nova habilidade culinária ou aprender as manhas num jogo de tabuleiro, de cartas, etc.


Recordar é viver

Folhear os tradicionais álbuns de fotografia é sempre uma garantia uma boa e longa conversa sobre a história da família e o significado de cada momento captado pela máquina. Memórias, experiências e recordações que sabe bem partilhar.

Fonte "Idade Maior"

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Hipertensão: afecta 4 em cada 10

Um dos maiores factores de risco cardiovascular. Ficam aqui alguns conselhos de como controlar a tensão e evitar consequentes problemas de saúde.

A hipertensão é uma doença crónica que afecta cerca de 40% da população e representa um dos maiores factores de risco cardiovascular. A longo prazo, e na ausência de tratamento, pode acabar por lesar os principais órgãos vitais como o cérebro, o coração e os rins. Sabia que cerca de metade das pessoas desconhecem sofrer de hipertensão? Não faça parte desta estatística, comece já a cuidar da saúde do seu coração!

Vigie regularmente a sua tensão

Adultos saudáveis devem medir a tensão arterial pelo menos uma vez por ano. Se for diabético, fumador, tiver excesso de peso ou história familiar de doenças cardiovasculares, controle a sua tensão mais frequentemente.

Adopte um estilo de vida saudável e activo:

• Descubra o verdadeiro sabor dos alimentos! Prescinda do saleiro na mesa e encontre as virtudes das ervas aromáticas e especiarias;

• Opte pelo pão sem sal ou meio sal, e evite o consumo frequente de enchidos, queijos, aperitivos, molhos preparados e pickles;

• Reforce o consumo de vegetais, legumes e frutos frescos. Valorize sopas e saladas compostas e bastante coloridas;

• Reduza o consumo de gorduras saturadas (carnes vermelhas, lacticínios gordos, manteiga, natas...);

• Privilegie o peixe e as carnes de aves, e use o azeite como gordura de adição;

• Mantenha um peso saudável;

• Evite o álcool e o tabaco;

Pratique actividade física regularmente (caminhar, nadar, andar de bicicleta, dançar...), e não abdique do convívio com os amigos e familiares, passeios ao ar livre... são óptimas formas de controlar o stress.

Fonte "Idade Maior"

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Um AVC toca a todos

Quase todos os dias ouvimos ou lemos sobre alguém que faleceu por AVC. É preciso por isso prevenir.
Achei então por bem colocar aqui este post como forma de alertar e esclarecer quaisquer dúvidas. 


A idade é um factor de risco. Mas um acidente vascular cerebral pode afectar até crianças e bebés. Saiba mais sobre uma das principais causas de morte em Portugal.

O Acidente Vascular Cerebral, mais conhecido como AVC, é a primeira causa de morte no nosso país, em pessoas com mais de 80 anos. Por hora, morrem três portugueses vítimas desta doença que, infelizmente, também já afecta a população mais nova.

Em qualquer idade

E as mais recentes notícias comprovam-no. Horácio Roque, fundador do Banco Banif, morreu aos 66 anos vítima de um AVC. Menos de uma semana depois foi a vez do cantor romântico, Beto, de 43 anos. Recorde-se também que no passado dia 30 de Março, Filipa Silva, modelo portuguesa, morreu aos 24 anos na sequência de um acidente vascular cerebral.

A verdade é que a maioria das pessoas não imaginam que os jovens adultos, ou até mesmo as crianças, possam sofrer um AVC. Mas podem e sofrem. Aliás, as causas são semelhantes às dos adultos, designadamente as patologias cardíacas: quando o coração não bate regularmente e gera arritmias, podem formar-se coágulos que bloqueiam o fornecimento do sangue ao cérebro.

Segundo o neurologista norte-americano, José Biller, da Universidade de Loyola, em Chicago, 10 por cento das pessoas afectadas por este problema têm menos de 45 anos. E nos países em desenvolvimento, a percentagem pode chegar aos 30%. Também de acordo com a Unidade de Vigilância da Sociedade Portuguesa de Pediatria, só em 2009, meia centena de bebés e crianças portuguesas foram vítimas de um acidente vascular cerebral.

Como reagir

Os AVC’s súbitos manifestam-se através dos seguintes sintomas: falta de força num braço, dificuldade em falar ou em ver para um dos lados e a boca de lado. A Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral (SPAVC) aconselha os seguintes passos em caso de emergência:

- deitar a pessoa de lado, certificando-se que respira bem;
- ligar ao 112;
- responder calmamente às perguntas que lhe forem colocadas, referindo a hora exacto do evento;
- obter o maior número possível de informação sobre a história médica do paciente, tal como a existência de outras doenças ou hábitos (tabágicos, alcoólicos e alimentares) e a medicação em curso, para transmitir ao pessoal de saúde. .

Fonte "Idade Maior"

terça-feira, 25 de maio de 2010

Frases eternas...

“A velhice não é a conclusão necessária da existência humana, é uma fase da existência diferente da juventude e da maturidade, mas dotada de um equilíbrio próprio e deixando aberto ao individuo uma gama de possibilidades.”

Simone de Beauvoir