Quero mostrar que esta fase também pode e deve ser bonita, saudável, activa e vivida com muita felicidade!!...

quarta-feira, 31 de março de 2010

A Importância da Estimulação de Competências

 Com o processo de envelhecimento ocorrem mudanças significativas nas áreas da autonomia, na capacidade física, cognitiva e na Intervenção Social, que se refletem nas competências do quotidiano do individuo.


As competências do quotidiano de pessoas idosas referem-se às capacidades de realizar as tarefas do dia-a-dia, a manutenção pró-activa de uma vida boa e saudável, independente, apesar das restrições da velhice.
Estimular significa incitar, activar animar, encorajar... Para além de tudo isto estimular é também criar meios de manter a mente, as emoções, as comunicações e os relacionamentos em actividade.

Quando é estimulado, o Idoso:
-Ganha auto-estima
-Fica mais desperto e mais participativo
-Envolve-se mais em questões que o rodeiam, reinvidica e reclama.

Para que o Idoso tenha uma velhice saudável é preciso que este esteja activo e desenvolva diversas actividades em várias áreas.

As áreas que podem ser estimuladas são:

-Artística (Cerâmica,Bordados,Cestaria...Dança, teatro..)
-Cultural (Bibliotecas, monumentos, galerias de arte, museus, festivais....)
-Formação/informação ( Ateliers, cursos, debates, seminários, jornadas...)
-Lúdico recreativa ( Marchas, piqueniques, caminhadas, jogos populares e desportivos...)
-Cognição (Actividades que proporcionam  e trabalham o Afecto, auto-estima, memória, ex: Leituras, escrita, etc...)
-Social (Visa que os idosos participem activamente no seio da comunidade como elemento válido e útil, ex: Voluntariado, integração em grupos sociais e associações.)
-Física ( Marcha (no minimo 45m por dia e sem pausas), ginástica, natação, hidroginástica, yoga, massagem e dança, entre outras actividades.)

segunda-feira, 29 de março de 2010

Os idosos e a importância do exercício físico

Hoje vive-se mais, mas também melhor, e a terceira idade deixou de ser sinónimo de inactividade.


Os idosos só têm a ganhar se se mantiverem activos e os benefícios não são apenas físicos. São também psicológicos.

Já ninguém duvida que a prática de exercício físico é benéfica para a saúde. É um aliado na prevenção de várias doenças e, isto vale para qualquer idade, até para os mais idosos (pessoas com mais de 65 anos), ou não estivesse a inactividade física associada a diversas doenças crónicas que afectam sobretudo esta camada da população, nomeadamente as patologias cardiovasculares, a diabetes mellitus, alguns tipos de cancro, a osteoporose, algumas doenças pulmonares, assim como alguns problemas mentais crónicos.

Benefícios vários


Entre os benefícios da actividade física destacam-se a redução da pressão arterial, a melhoria dos níveis de colesterol e de glucose no sangue, a preservação ou reforço da mineralização óssea, a redução do risco de cancro do cólon e da mama, nas mulheres.

Por outro lado, contribui para a preservação da função cognitiva, diminui o risco de depressão e de demência, atenua o stress e melhora a qualidade do sono, a auto-imagem e a auto-estima, aumentando o bem-estar e o optimismo, e diminui o absentismo. Nas pessoas idosas, a actividade física está igualmente associada a uma redução do risco de queda e diminuição das limitações funcionais.


Exercício certo

As recomendações para as pessoas idosas consistem na acumulação de, pelo menos, 150 minutos por semana de actividade física de intensidade moderada (30 minutos por dia, cinco dias por semana)”. Quando a concretização deste objectivo não é possível, sugere-se que os adultos idosos sejam o mais possível fisicamente activos, dentro das suas limitações. A actividade não tem de ser realizada de forma contínua, mas pode ser fraccionada em dois períodos de 15 minutos ou em três períodos de dez minutos. Pode, por exemplo, percorrer dois quilómetros em meia hora (marcha acelerada), ou percorrer um quilómetro em 15 minutos, duas vezes ao dia, ou cerca de 700 metros em dez minutos, três vezes ao dia, ou então fazer ginástica durante meia hora (num ginásio ou na água) ou outra actividade física que aumente o ritmo cardíaco e respiratório, como pedalar ou nadar.
Também é importante haver programas de exercício específicos para os idosos que promovam o equilíbrio, o controlo postural e a mobilidade, a força e potência musculares, a flexibilidade, que incluam, ainda, exercícios aeróbios com ou sem impacto, ou uma concepção combinada, que integre o treino dos sistemas sensoriais (proprioceptivo, vestibular e visual), cognitivo e motor. Estes exercícios devem ser realizados duas vezes por semana e devem ser orientados por profissionais qualificados, acrescenta a investigadora.

Cenário português


De acordo com os dados do Observatório Nacional da Actividade Física, que serão publicados brevemente pelo Instituto do Desporto de Portugal, cerca de um terço (23% dos homens e 36% das mulheres) da população adulta dos 18 aos 64 anos não é suficientemente activa. Nas pessoas de 65 ou mais anos, a inactividade sobe para mais de metade da população (55% dos homens e 72% das mulheres).
Estes resultados são semelhantes aos observados nos Estados Unidos da América e, são o sinal de que as intervenções para a promoção da actividade física devem ser reforçadas nos mais idosos, em particular nas mulheres, uma vez que somente 28% das mulheres nessa faixa etária são consideradas suficientemente activas. Essa promoção está geralmente a cargo das autarquias, no entanto, precisa de ser reforçada , em algumas regiões de Portugal, uma vez que os habitantes do Alentejo e Algarve apresentam valores inferiores aos do Norte, Centro e de Lisboa.


Conselhos


Antes de iniciar a actividade física, lembre-se de:

- Escolher roupa e calçado confortável que absorvam o suor e o retirem da pele.

- Nunca vestir roupa de plástico ou borracha para não sobreaquecer o corpo.

- Beber água antes, durante e após o exercício.

- Avaliar a segurança do envolvimento quando o exercício é realizado no exterior: tráfego, pavimento, tempo e estranhos, e usar protector solar.



Interrompa a actividade física se:

- Sentir dor ou pressão no peito, pescoço, ombro ou braço.

- Ficar tonto ou maldisposto.

- Sentir suores frios.

- Tiver cãibras nas pernas.

- Sentir dor aguda nas articulações, pés, tornozelos ou pernas.



Não faça exercício físico:

- Até 2 horas após uma grande refeição.

- Se tiver febre ou infecção viral acompanhada de dor muscular.

- Se a pressão arterial sistólica estiver acima de 200 e a diastólica superior a 100.

- Se a frequência cardíaca de repouso for superior a 120.

- Se uma articulação o mobilizar durante o exercício (joelho, tornozelo), estiver vermelha, quente e dorida ou se experimentar uma dor severa ou inchaço numa articulação.

Fonte "Sapo Saúde"

terça-feira, 23 de março de 2010

Apoio Domiciliário

Cada vez mais, os cuidados de saúde ao domicílio são uma excelente alternativa para os doentes, sobretudo os mais idosos.

Prestar cuidados de saúde aos outros é muito gratificante, fazê--lo ao domicílio será, sem dúvida, uma mais valia. Entrar no mundo do doente, na sua casa, no seu contexto familiar, ter contacto com os seus pertences, apercebermo-nos das suas rotinas, preferências e formas de estar é não só interessante como aliciante.
Aliciante porque nos levanta um grande desafio: o de nos adequarmos à realidade de cada um, no sentido de personalizarmos ao máximo os nossos cuidados, para que desta forma o doente se sinta o mais possivel reconfortado. Mas também o desafio de não nos preocupamos apenas em dar resposta às necessidades básicas da vida diária, pois os nossos objectivos serão mais ambiciosos.
A nossa relação com o doente será um dos nossos bens mais preciosos e faremos por desenvolvê-la o mais possível. Também a colaboração no desenvolvimento das actividades instrumentais da vida diária será uma prioridades, para que este continue sempre a sentir-se cada vez mais útil e autónomo.

Diagnosticar a depressão e a demência

Porque a grande maioria será de pessoas idosas, tentaremos estar alertas para alguns dos problemas mais comuns desta faixa etária e cujo diagnóstico nem sempre é fácil. Problemas como a depressão e a demência são muito frequentes e, várias vezes, estão associados. Aliás, na grande maioria dos casos nem sequer estão ainda diagnosticados. Contudo, estas são duas patologias que podem dar origem a doenças orgânicas, tais como infecções ou úlceras de pressão, altamente incapacitantes e que desta forma reduzem significativamente a qualidade de vida.

Silenciosamente incontinente


Apenas 10 por cento das mulheres que sofre de incontinência procura ajuda médica. Saiba como tratar um problema que afecta um terço das portuguesas.
A incontinência urinária é um problema grave que afecta um terço das mulheres portuguesas com mais de 50 anos, mas apenas 10 por cento procura ajuda médica. Vergonha, resignação ou desconhecimento levam muitas mulheres a sofrer em silêncio um problema que pode ser tratado.


Os diferentes tipos

A incontinência urinária pode manifestar-se em qualquer altura, no entanto, tende a afectar sobretudo as mulheres de meia-idade. O processo completo de contenção e libertação da urina é complexo e a perda de controlo pode ocorrer em diferentes etapas.
Assim, os diferentes tipos de incontinência classificam-se de acordo com o modo e o momento: incontinência de aparecimento recente e repentino e incontinência de início gradual e persistente.

A incontinência que começa repentinamente muitas vezes indicia um problema da bexiga. A causa mais frequente é uma infecção neste orgão (cistite).
As outras causas incluem os efeitos colaterais dos medicamentos, as perturbações que afectam a mobilidade ou causam confusão, o consumo excessivo de bebidas que contêm cafeína ou álcool e as situações que irritam a bexiga ou a uretra, como a vaginite atrófica e a obstipação aguda.
A incontinência persistente (crónica) pode ser causada por alterações no cérebro, alterações na bexiga ou na uretra ou problemas dos nervos que entram ou saem da bexiga. Estas alterações são especialmente frequentes nas pessoas de mais idade.

Em função dos sintomas

A incontinência urinária pode também classificar-se em função do tipo de sintomas: por urgência, por esforço, por extravasamento ou por incontinência total.
A primeira é um desejo urgente de urinar seguido de uma perda incontrolável de urina. A causa mais frequente de aparecimento brusco é uma infecção das vias urinárias. Mas é frequente desconhecerem-se as causas com exactidão dos casos de incontinência por urgência sem infecção.
A incontinência por esforço consiste numa perda incontrolável de urina ao tossir, fazer esforços, espirrar, levantar objectos pesados ou executar qualquer manobra que aumente bruscamente a pressão dentro do abdómen. Pode ser provocada por debilidade do esfíncter (músculo) urinário.

Nos homens, a incontinência por esforço pode aparecer depois da extirpação da próstata (prostatectomia, ressecção transuretral da próstata) quando se lesa a parte superior da uretra ou o colo da bexiga.
A incontinência por extravasamento é a fuga incontrolada de pequenas quantidades de urina estando a bexiga cheia. A fuga ocorre quando a bexiga está dilatada e insensível devido à retenção crónica da urina. No fim, a pessoa pode ser incapaz de urinar porque o fluxo de urina é obstruído ou porque os músculos da parede da bexiga já não podem contrair-se.
A incontinência total é a situação em que a urina goteja constantemente da uretra, dia e noite. Verifica-se quando o esfíncter urinário não se fecha adequadamente. Nas mulheres, a causa está geralmente associada uma lesão no colo da bexiga e na uretra durante o parto.


Soluções e alternativas

Um tratamento óptimo depende da análise minuciosa do problema de forma individualizada e varia segundo a natureza específica do mesmo. Muitas vezes o tratamento exige apenas que se tomem medidas simples para mudar o comportamento. A maiior parte das pessoas pode recuperar o controlo da bexiga mediante técnicas de modificação do mesmo, como urinar com intervalos regulares (cada duas ou três horas) para manter a bexiga relativamente vazia.
Pode ser útil evitar os elementos que irritem a bexiga como as bebidas que contêm cafeína, e beber quantidades suficientes de líquidos (de seis a oito copos por dia) para impedir que a urina se concentre em demasia (o que também pode irritar a bexiga).
Os casos mais graves, que não respondem aos tratamentos não cirúrgicos, podem ser corrigidos por meio de cirurgia utilizando qualquer dos diferentes procedimentos que elevam a bexiga e reforçam o canal de passagem da urina. Em alguns casos é eficaz uma injecção de colagénio à volta da uretra.

Fonte "Idade Maior"

quinta-feira, 18 de março de 2010

Pensamento do dia...

"Sorria sempre... para não dar aos que te odeiam, o prazer de te ver triste; e para dar aos que te amam, a certeza de que és feliz."

autor desconhecido

terça-feira, 9 de março de 2010

Nova proposta informática visa população sénior



Está no mercado a iniciativa "Activo PC Sénior", uma nova oferta para a população sénior que junta site com informação e conteúdos, software e computadores.
Promovida pela Inforlandia, em conjunto com a Microsoft Portugal, a Caixa Geral de Depósitos (CGD), a Rede de Universidades da Terceira Idade (RUTIS) e a INSYS, a iniciativa prevê a disponibilização de quatro modelos de computadores, com preços a rondar os 600 euros.
Os portáteis, "concebidos de raiz para o público sénior", referem os promotores, chegam ao mercado em duas vertentes: a comercialização exclusiva de três modelos de computadores para clientes Caixa Geral de Depósitos e a venda de um quarto modelo de computador portátil, denominado "PC Sénior Virtual", destinado a alunos e professores da RUTIS.
A aquisição é efectuada através dos balcões da CGD e através da página da RUTIS criada para o efeito, no caso do PC Sénior Virtual.
Os quatro PCs podem ser adquiridos a pronto pagamento ou através de modelos de financiamento, disponibilizados pela CGD, mediante uma modalidade de pagamento mensal a crédito.
No que diz respeito à configuração das máquinas, os portáteis integram o sistema operativo Windows 7 da Microsoft, o pacote de aplicações de produtividade pessoal Office 2007, versão Casa e Escritório e Versão Estudante (no caso do modelo comercializado pela RUTIS) e software de aprendizagem.

"O crescimento da população sénior portuguesa cria um desafio: manter este conjunto de indivíduos activos e integrados na sociedade e nos seus núcleos familiares. Tendo por base esta premissa e ainda o reconhecimento da importância crescente da franja de mercado Sénior (…) foi criada uma iniciativa pensada para fazer chegar a tecnologia a faixas etárias que terão menos familiaridade com as tecnologias de informação e que mantêm o interesse e apetência pela aprendizagem e reforço de competências para a sua actividade profissional, conhecimento pessoal e ligação ao seu núcleo familiar", refere a Inforlandia num comunicado enviado à imprensa.

sexta-feira, 5 de março de 2010

Cuidados a ter com a Alimentação na Terceira Idade

Neste curso todos os dias estamos a aprender coisas importantíssimas, tanto para aplicar na profissão futuramente, como para praticarmos no nosso dia a dia de tão praticas, saudáveis e a pensar na nossa saúde..
Como exemplo, temos as aulas de nutrição da Professora Bárbara Beleza, da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto, uma excelente nutricionista, muito profissional e pessoa fantástica, cheia de gosto naquilo que ensina, energia e uma paciência de santa para nos aturar a todos mas tem-nos ensinado coisas fantásticas por isso, resolvi expôr aqui uma das suas aulas  (espero que ela  não se importe):

Em Portugal, o nº de idosos cresceu, mas:

...A maioria não goza de boa saúde (doenças crónicas metabólicas e degenerativas)
....Não morrem de velhice

A sobre e subalimentação monótonas são igualmente perigosas, sendo a primeira mais frequente.

As necessidades energéticas diminuem a partir dos 45 anos:
-decresce a act. muscular e a massa corporal

Manutenção da exigência de outros nutrientes(vitaminas, minerias, fibras...)

É necessário que o exercicio fisico seja regular e diário e os Alimentos nutricionalmente mais ricos e variados.

Repartir pelo dia, as tomas de alimentos.
.Evitar refeições demasiado proximas ou afastadas.

Jejuns nocturnos não superiores a 8-9h
A comida leve, pouco gorda e pouco temperada (confecção)
. Alimentos pouco gordos e com pouco ou nenhum sal.
Preferir alimentos frescos ou congelados, em vez de processados e fumados.
Mastigar e ensalivar bem os alimentos.

Restrição de gorduras
.Particularmente as sobreaquecidas dificil digestão e menos saudável.
.Substituir fritos, assados e refogados por cozinhados que dispensem gordura de confecção
.Aparar bem as peles e as partes gordas visíveis de carnes e peixes.
.Não abusar de queijos com mais de 30% de gordura

Acompanhe as refeições com infusões digestivas (tilia, funcho, limonete ou outros), ou um bom vinho maduro- excelentes estimulos para a secreção gástrica e biliar (quando deficientes).

Hidratar (sede rara)
.Sopa duas vezes ao dia
.Infusões de ervas
.8 copos água/dia
Abundância de produtos hortícolas
300gr fruta crua e madura ou cozida por dia
Beber mais leita ou substitutos (3copos)
.Leguminosas secas bem descascadas, especialmente se tem flatulência
."Farináceos"  nunca devem faltar às refeições.

.Evite consumir açucar simples, doces, bebidas açucaradas pois engordam e não têm valor nutritivo.
.Consumir carne ou peixe com moderação
.Evitar o sal (utlize antes ervas aromáticas e especiarias).

Ainda...
Praticar actividade física (caminhar, dançar, ginástica, natação, jardinar, etc.)
Exposição à luz solar
Controlar o peso todos os meses.

Seguindo estas regras, tem tudo para ganhar mais saúde pois, na alimentação, está muitas vezes a solução  para alguns problemas. Não praticando uma alimentação saudável corre o risco de lhe surgirem várias doenças:

OBESIDADE
DIABETES TIPO 2
HIPERTENSÃO ARTERIAL
DOENÇAS CARDIOVASCULARES E OSTEOARTICULARES
INSUFICIÊNCIA DIGESTIVA
OBSTIPAÇÃO
CALCULOSE BILIAR
MAGREZA
MALNUTRIÇÃO E /OU DESNUTRIÇÃO

Cuide-se de forma a prevenir para além destas doenças, o desenvolvimento de um mau estado nutricional, através de uma alimentação saudável...
Promova a sua independência e a sua qualidade de vida.

terça-feira, 2 de março de 2010

Uma mensagem importante..

O envelhecimento faz parte da nossa vida! É um processo natural que se inicia no momento em que nascemos. Não é questão de aceitar  uma tese da qual se possa discordar. A gente envelhece e pronto. Não há, porém, limites estabelecidos para o término de nossa caminhada neste mundo. Temos é que manter sempre acesa a chama do entusiasmo, pois a vida tem encantos para aqueles que gostam dela.

Na nossa sociedade, porém, envelhecer é passar da actividade para a passividade. Isso significa deixar de fazer para que façam pela gente, deixar de ser cidadã/ão, deixar de ser família, etc. Assim limitadas e isoladas, as pessoas perdem a razão de viver. É como se as pessoas idosas não tivessem valor, habilidades, direito à opinião própria, etc. Algumas expressões que se ouvem na nossa sociedade, e até nas nossas famílias, em relação às pessoas idosas mostram essa mentalidade: "o lugar dos idosos é em casa", "estás a ficar igual a uma criança", "velho não tem mais nada para aprender".

Na Bíblia, também podemos perceber que a atitude frente às pessoas idosas nem sempre foi tão pacífica ou tão tranquila como, às vezes, ouvimos e afirmamos. Podemos perceber na leitura da Bíblia que as pessoas idosas não têm uma vida sem problemas, sem dificuldades. Mas a exortação quanto ao respeito, à valorização da sabedoria dos mais velhos aparece ali. O Salmista, por exemplo, compara as pessoas que andam com Deus como árvores viçosas cheias de vigor e de frutos mesmo na velhice (Sl 92.13-15). A Bíblia  mostra-nos um horizonte diferente daquele que percebemos na nossa sociedade.

"Até à vossa velhice, eu serei o mesmo e, ainda quando tiverdes cabelos brancos, eu vos carregarei; já o tenho feito; levar-vos-ei, pois, carregar-vos-ei e vos salvarei."

(Is 46.4)

A família, a comunidade e a sociedade precisam dignificar as pessoas idosas, assegurando a sua participação na comunidade, defendendo a sua liberdade, autonomia, bem-estar e garantindo-lhes o direito à vida. No contexto social temos várias formas agradáveis de viver esta fase da vida, fazendo parte de um grupo de idosos, de dança, artesanato, realizando viagens, fazendo caminhadas, mantendo-se actualizado, frequentar cursos e, desta forma, preenchendo significativamente o nosso envelhecer.

E você, que se considera nesta fase da vida, não pense no número de anos que já viveu. Pense, isso sim, em como desfrutar com muita coragem, perseverança e fé os anos que tem pela frente, dedicando-se a algo que lhe interesse e orgulhando-se da sua idade, por mais avançada que seja. Tudo isso manterá seu espírito alegre e juvenil. Enfrente, pois, o entardecer da vida com responsabilidade, alegria e muito amor. Esse entardecer não acaba numa noite fechada, mas num amanhecer cheio de esperança.


Vamos olhar para a pessoa idosa como ser humano integral, valioso e amado por Deus e por nós. Não podemos considerar apenas a sua força física, mental e a sua saúde. É preciso respeitar a personalidade formada, a riqueza da experiência acumulada. As pessoas idosas podem trazer de volta muitos valores perdidos pela sociedade de consumo e violência.



.