Quero mostrar que esta fase também pode e deve ser bonita, saudável, activa e vivida com muita felicidade!!...

segunda-feira, 29 de março de 2010

Os idosos e a importância do exercício físico

Hoje vive-se mais, mas também melhor, e a terceira idade deixou de ser sinónimo de inactividade.


Os idosos só têm a ganhar se se mantiverem activos e os benefícios não são apenas físicos. São também psicológicos.

Já ninguém duvida que a prática de exercício físico é benéfica para a saúde. É um aliado na prevenção de várias doenças e, isto vale para qualquer idade, até para os mais idosos (pessoas com mais de 65 anos), ou não estivesse a inactividade física associada a diversas doenças crónicas que afectam sobretudo esta camada da população, nomeadamente as patologias cardiovasculares, a diabetes mellitus, alguns tipos de cancro, a osteoporose, algumas doenças pulmonares, assim como alguns problemas mentais crónicos.

Benefícios vários


Entre os benefícios da actividade física destacam-se a redução da pressão arterial, a melhoria dos níveis de colesterol e de glucose no sangue, a preservação ou reforço da mineralização óssea, a redução do risco de cancro do cólon e da mama, nas mulheres.

Por outro lado, contribui para a preservação da função cognitiva, diminui o risco de depressão e de demência, atenua o stress e melhora a qualidade do sono, a auto-imagem e a auto-estima, aumentando o bem-estar e o optimismo, e diminui o absentismo. Nas pessoas idosas, a actividade física está igualmente associada a uma redução do risco de queda e diminuição das limitações funcionais.


Exercício certo

As recomendações para as pessoas idosas consistem na acumulação de, pelo menos, 150 minutos por semana de actividade física de intensidade moderada (30 minutos por dia, cinco dias por semana)”. Quando a concretização deste objectivo não é possível, sugere-se que os adultos idosos sejam o mais possível fisicamente activos, dentro das suas limitações. A actividade não tem de ser realizada de forma contínua, mas pode ser fraccionada em dois períodos de 15 minutos ou em três períodos de dez minutos. Pode, por exemplo, percorrer dois quilómetros em meia hora (marcha acelerada), ou percorrer um quilómetro em 15 minutos, duas vezes ao dia, ou cerca de 700 metros em dez minutos, três vezes ao dia, ou então fazer ginástica durante meia hora (num ginásio ou na água) ou outra actividade física que aumente o ritmo cardíaco e respiratório, como pedalar ou nadar.
Também é importante haver programas de exercício específicos para os idosos que promovam o equilíbrio, o controlo postural e a mobilidade, a força e potência musculares, a flexibilidade, que incluam, ainda, exercícios aeróbios com ou sem impacto, ou uma concepção combinada, que integre o treino dos sistemas sensoriais (proprioceptivo, vestibular e visual), cognitivo e motor. Estes exercícios devem ser realizados duas vezes por semana e devem ser orientados por profissionais qualificados, acrescenta a investigadora.

Cenário português


De acordo com os dados do Observatório Nacional da Actividade Física, que serão publicados brevemente pelo Instituto do Desporto de Portugal, cerca de um terço (23% dos homens e 36% das mulheres) da população adulta dos 18 aos 64 anos não é suficientemente activa. Nas pessoas de 65 ou mais anos, a inactividade sobe para mais de metade da população (55% dos homens e 72% das mulheres).
Estes resultados são semelhantes aos observados nos Estados Unidos da América e, são o sinal de que as intervenções para a promoção da actividade física devem ser reforçadas nos mais idosos, em particular nas mulheres, uma vez que somente 28% das mulheres nessa faixa etária são consideradas suficientemente activas. Essa promoção está geralmente a cargo das autarquias, no entanto, precisa de ser reforçada , em algumas regiões de Portugal, uma vez que os habitantes do Alentejo e Algarve apresentam valores inferiores aos do Norte, Centro e de Lisboa.


Conselhos


Antes de iniciar a actividade física, lembre-se de:

- Escolher roupa e calçado confortável que absorvam o suor e o retirem da pele.

- Nunca vestir roupa de plástico ou borracha para não sobreaquecer o corpo.

- Beber água antes, durante e após o exercício.

- Avaliar a segurança do envolvimento quando o exercício é realizado no exterior: tráfego, pavimento, tempo e estranhos, e usar protector solar.



Interrompa a actividade física se:

- Sentir dor ou pressão no peito, pescoço, ombro ou braço.

- Ficar tonto ou maldisposto.

- Sentir suores frios.

- Tiver cãibras nas pernas.

- Sentir dor aguda nas articulações, pés, tornozelos ou pernas.



Não faça exercício físico:

- Até 2 horas após uma grande refeição.

- Se tiver febre ou infecção viral acompanhada de dor muscular.

- Se a pressão arterial sistólica estiver acima de 200 e a diastólica superior a 100.

- Se a frequência cardíaca de repouso for superior a 120.

- Se uma articulação o mobilizar durante o exercício (joelho, tornozelo), estiver vermelha, quente e dorida ou se experimentar uma dor severa ou inchaço numa articulação.

Fonte "Sapo Saúde"

1 comentário:

  1. Parabéns pelo post.
    Nem sempre os idosos conseguem fazer a actividade física que pretendem. Nessas situações devem procurar um apoio nutricional de forma a conseguirem uma redução ponderal de forma lenta e produtiva, bem como obterem todos os nutrientes que necessitam para a parte articular melhorar e conseguirem aumentar a carga de actividade física.
    Joana Pinheiro
    http://nutrisuperhealth.blogspot.com

    ResponderEliminar