Quero mostrar que esta fase também pode e deve ser bonita, saudável, activa e vivida com muita felicidade!!...

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Sabe quando vai entrar na menopausa?

Agora, é possível descobri-lo através de uma simples análise ao sangue e assim preparar-se para uma nova fase da vida.

A descoberta foi feita por cientistas iranianos, na sequência de um estudo, e apresentada em Roma no Congresso Europeu da Medicina de Reprodução: com uma simples análise ao sangue passa a ser possível determinar a idade aproximada da entrada na menopausa. A fórmula baseia-se num método estatístico capaz de revelar a idade em que a mulher chegará à menopausa, consoante os níveis da hormona responsável pelo controlo da produção de folículos nos ovários no sangue. Dado que a decisão de ter filhos é cada vez mais tardia, esta descoberta poderá ajudar as mulheres a planearem em que idade pretendem constituir família.

Um estudo de 12 anos

O estudo levado a cabo por cientistas da Universidade de Ciências Médicas Shahid Beheshit, situada em Teerão, decorreu ao longo de 12 anos e contou com a participação de 266 mulheres, entre os 20 e os 49 anos. A análise ao sangue identifica a hormona antimulleriana (HAM), responsável pelo controlo da produção de folículos nos ovários, produzida nestes órgãos. Assim, é possível logo a partir dos 20 anos prever a idade da menopausa.

A nível prático o objectivo da análise ao sangue é avaliar a capacidade fértil da mulher, determinando se a mesma existirá por muitos mais anos ou se, pelo contrário, irá se esgotar precocemente. A margem de erro do modelo desenvolvido pelos iranianos varia entre quatro meses e os quatro anos, consoante o caso.

O estudo permitiu determinar que as mulheres que têm concentrações sanguíneas mais baixas daquela hormona aos 20 anos, atingem a menopausa numa idade precoce, antes dos 45 ou dos 40 anos. E as que têm um nível da AMH elevado aos 20 anos (pelo menos 4,5 nanogramas por mililitro), superior aos 3,8 aos 25 anos e que aos 30 se situa nos 2,9, deverão chegar a essa fase após os 50 anos. Contudo, a equipa quer agora desenvolver um estudo mais vasto para confirmar os dados e apurar o seu teste.

O exame pode ser feito em qualquer idade. E a grande novidade do estudo para a comunidade científica é mesmo essa. A menopausa ocorre, em média, nas mulheres portuguesas, por volta dos 52 anos, quando deixa de ovular, facto que desencadeia uma diminuição na produção de hormonas. O factor genético é o mais determinante no aparecimento da menopausa, mas existem outros. O estilo de vida ou os hábitos alimentares podem também acelerar o processo de falência dos ovários.
 
Fonte Idade Maior

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Pais idosos - os novos dependentes

Perceba de que forma pode dar assistência ao seus pais e manter o equilíbrio, conjugando o trabalho,a família e a vida pessoal.
Assegurar o futuro de pais que caminham para a terceira idade é, hoje, uma das maiores preocupações dos filhos. Garantir o bem-estar, a saúde e a segurança é a prioridade, mas nem sempre a comunicação com os progenitores é fácil.

Aprender a comunicar

Mesmo nas famílias mais próximas, falar com os pais sobre o futuro ou o seu bem-estar pode exigir bastante determinação. Existem várias estratégias para manter a conversa positiva e produtiva. Por exemplo, manter as preocupações ao nível da primeira pessoa - "Eu estou preocupada", "Eu sinto" -, ao invés de "Vocês têm", "Vocês precisam".
Evite inverter os papéis e não assuma a função de responsável. Para a comunicação funcionar é essencial que os pais sintam equilíbrio na relação. E esteja preparado para deixar que tomem decisões, mesmo que não concorde com elas.


Planear com antecedência

Em primeiro lugar, deve reunir o maior número de informação possível sobre o estado de saúde e os cuidados médicos que necessitam, bem como os nomes e contactos dos seus médicos. É aconselhável que faça uma lista sobre a situação financeira, os bens, as aplicações, as contas, as dívidas e guardar os respectivos documentos.

Por fim, tenha sempre à mão ou combine com eles um lugar próprio para guardar os documentos pessoais, como bilhetes de identidade, cartões de contribuinte e certidões, para quando precisar, saiba sempre onde os encontrar.
Faça uma lista dos familiares, vizinhos ou pessoas próximas que sabe que os poderão ajudar, caso não esteja presente em caso de urgência. Ou, se preferir, juntamente com os seus pais, reúna informação sobre serviços comunitários, caregivers e residências. Troque impressões e ouça as suas opiniões. E se oferecem alguma resistência em receber ajuda tente convencê-los, explicando como funcionam os serviços e assegurando-lhes que continuarão a ser independentes.

Conjugar a vida profissional com a assistência a pais idosos

Para conseguir conjugar estas duas vertentes é preciso que planifique bem o seu tempo. Por isso, estabeleça prioridades e delegue trabalho a quem o possa ajudar. Procure saber se a sua empresa tem algum acordo com organizações que prestam apoio domiciliário. Pode, ainda, informar-se nos Recursos Humanos ou na Segurança Social sobre a baixa por assistência à família, prevista na Lei portuguesa, e saber se pode usufruir dos seus benefícios.

Existem ainda um conjunto de medidas que pode adoptar, como oferecer-se para fazer um turno que os seus colegas evitam, considerar a hipótese de trabalhar em part-time ou até mesmo falar com o seu supervisor e explicar-lhe a situação. Até pode ser que compreenda a situação e seja condescendente consigo.

Não se esqueça das suas necessidades

Apesar do esforço exigido para conseguir conjugar a assistência familiar com o emprego, é importante que não se esqueça das suas necessidades. A sua saúde não pode ser ignorada: coma equilibradamente, faça exercício e deixe algum tempo livre para fazer o que mais gosta. Quando precisar de ajuda, peça. Nunca deixe que a situação chegue ao ponto de saturação. Conversar com alguém também ajuda a libertar alguma pressão, quer seja com o seu parceiro, com amigos ou mesmo com um especialista.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Saiba se sofre de Cataratas

Tem visão turva?



Pode ser o primeiro sinal de que sofre de cataratas. Um problema que afecta 20 por cento da população mundial.
A visão turva, as cores esbatidas (os azuis, bem como a acentuação dos vermelhos, amarelos e alaranjados) e a miopia são alguns dos sintomas que se manifestam com o aparecimento de cataratas (opacidade parcial ou total do cristalino ocular). Contudo, trata-se de um processo indolor que provoca sintomas visuais praticamente imperceptíveis ao início e cuja evolução é quase sempre muito lenta.
Existem várias para o aparecimento da opacidade do cristalino, aliás podem produzir-se cataratas congénitas, presentes desde o nascimento, cataratas adquiridas, provocada por um traumatismo ocular ou enquanto complicação de uma doença grave, como diabetes, gota e hipotiroidismo. Por fim, a maioria das cataratas surgem depois dos 60 anos, originadas pelas transformações sofridas pelo cristalino ao longo dos anos, nomeadamente devido à perda do seu conteúdo aquoso e à condensação das duas fibras. São conhecidas como cataratas senis, sendo uma das principais causas de cegueira em idosos.

O envelhecimento ocular

Durante o processo de envelhecimento as pupilas deixam de dilatar com tanta frequência, reduzindo a intensidade de luz que chega à retina. Por norma, a partir dos 80 anos a retina recebe um sexto da luminosidade que recebia aos 20 anos, se estivermos a falar de uma área bem iluminada. Caso contrário, o valor pode descer até aos 1/16.

Por outro lado, as lentes oculares tornam-se também menos flexíveis, não se ajustando correctamente a diferentes distâncias. Todas as alterações consequentes do envelhecimento tornam os olhos mais vulneráveis a problemas oculares, nomeadamente às cataratas.

Soluções de tratamento

O tipo de tratamento depende do estado evolutivo da doença, ou seja, no caso das cataratas parciais que pouco dificultam a visão, o tratamento médico envolve a toma de colírios cidriáticos ou então a prescrição de óculos de correcção.

Contudo, nos casos mais evoluídos da doença a solução passa por uma intervenção cirúrgica que implica a colocação de uma lente intra-ocular. E, se até agora o doente teria de optar por uma boa visão ao perto ou ao longe, hoje, o tratamento das cataratas caminha a passos largos para uma correcção quase perfeita. Aliás, a extracção de cataratas constitui umas das operações menos complexas e mais bem-sucedidas e, desde que os olhos sejam saudáveis, o sucesso dos resultados ascende os 90 por cento.

Aliás, uma nova técnica desenvolvida por um oftalmologista português, dois norte-americanos e um espanhol já está a ser aplicada, aos poucos, no nosso país. A técnica Mix & Match, como é conhecida, permite uma boa visão a todas as distâncias, graças à combinação de lentes multifocais diferentes. Esta cirurgia, no entanto, só pode ser aplicada quando o problema afecta os dois olhos.
 
Fonte "Idade Maior"

Hospital de Braga sensibiliza idosos para a protecção contra o frio

O Hospital de Braga vai promover acções de sensibilização dirigidas à terceira idade, sobre a problemática do frio, inseridas no Programa de Educação para a Saúde que o hospital tem vindo a implementar. No âmbito desta iniciativa, a unidade hospitalar vai oferecer mantas aos idosos, para que possam enfrentar melhor o frio que se aproxima.

No dia 8 de Novembro, segunda-feira, às 15h30m, o Hospital de Braga vai sensibilizar os bracarenses da Associação de Reformados do Centro Histórico de Braga e, no dia 9 de Novembro, terça-feira, pelas 16h, a iniciativa terá lugar na Universidade Bracarense de Autodidactas da Terceira Idade (UBATI).
Nestas associações dedicadas à terceira idade, profissionais de saúde do Hospital de Braga vão fornecer conselhos de como os idosos podem proteger-se do frio, sugerir dicas de prevenção de gripes, constipações, hipotermias e outras doenças associadas ao frio.
Seguir-se-ão momentos de convívio com os idosos, onde será oferecida uma bebida quente bem como um desdobrável com informação que sintetiza as medidas abordadas.