Quero mostrar que esta fase também pode e deve ser bonita, saudável, activa e vivida com muita felicidade!!...

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Universidade em Alenquer abre portas

Universidade em Alenquer abre portas
          Se tem tempo livre e gostava de voltar a estudar, se conhece pessoas desocupadas, mas que gostariam de voltar a ter uma vida mais activa, não perca tempo e volte à vida académica. Vai ver como a vida ganha uma nova cor e interesse!
Estão abertas as inscrições para o arranque do novo ano lectivo na Universidade da Terceira Idade de Alenquer.
Neste momento são já mais 400 os alunos que aguardam com entusiasmo o ínico das aulas, superando assim todas as expectativas.

A universidade oferece um plano curricular diversificado que no total engloba 19 disciplinas entre elas o Inglês e a Informática, as mais frequentadas, outras como o Yoga, as danças do mundo e as danças tradicionais reúnem cada vez mais apreciadores.

As aulas decorrem na biblioteca municipal, contando ainda com pólos no Carregado, Ota e na junta de freguesia de Ventosa. Dinamizar a população sénior, promover o envelhecimento saudável, a qualidade de vida dos mais idosos e fortalecer a troca de conhecimentos e experiências é o grande objectivo desta iniciativa do município de Alenquer.

Como evitar os lapsos de memória?

Com o avançar da idade existe tendência para surgirem os típicos lapsos de memória. Saiba o que fazer para aumentar a memória em vez de diminui-la. 
O stress crónico ao produzir duas hormonas como o cortisol e a noradrenalina funciona como inimigo da memória. Pesquisas nesta área demonstram efeitos nocivos de tais substâncias químicas no sistema nervoso central, incluindo a região do hipocampo, que é a região da memória. Tais efeitos negativos (pode haver até a morte dos neurónios) costumam ser reversíveis quando a resposta ao estímulo do stress é controlada.

Portanto, a primeira dica para evitar lapsos de memória é aprender a lidar com o stress ao qual todos estamos sujeitos nas diversas situações e contextos de nossas vidas. Ninguém está livre do stress, precisamos apenas de desenvolver mecanismos adaptativos que façam com que os efeitos nocivos sejam os menores possíveis.

Para tal, existem diversas formas que nos podem ajudar a controlar o stress. Para casos mais acentuados a psicoterapia cognitiva (que muda o foco do pensamento), ou as técnicas de relaxamento como o Ioga, e até determinadas ações sociais, além de atividades físicas regulares. O simples ato de fazer bem às pessoas, ativa o Sistema de Recompensa Cerebral, conduzindo, em alguns casos, a uma felicidade extrema.

Além do stress, existem outras doenças e transtornos mentais como a depressão, o síndrome do pânico, a ansiedade generalizada, entre outros, responsáveis por lapsos de memória. Nestes casos, é importante o tratamento feito por especialistas, psiquiatras e psicólogos.

Deve-se evitar o uso crónico de benzodiazepínicos, os tradicionais calmantes ou remédios conhecidos como indutores de sono. Caso não sejam prescritos e acompanhados por médicos, podem causar dependência e lesões na memória. Outros medicamentos também podem ter efeito sobre a memória; daí a importância dos pacientes perguntarem aos seus médicos sobre efeitos colaterais dos medicamentos.

O uso de álcool, drogas, inclusive o tabaco também podem prejudicar a memória. Algumas mudanças de hábitos de vida ajudam na preservação da memória. Deve-se sempre fazer um check-up de saúde, principalmente após os 40 anos de idade, já que algumas doenças clínicas como o colesterol alto, hipertensão, AVC (acidente vascular cerebral) e distúrbios do sono podem provovar falhas de memória.

O exercício mental, através de leituras variadas, palavras-cruzadas, estudos de novas línguas e também novos campos intelectuais ou manuais são fundamentais para combater o esquecimento. Portanto, a boa notícia é que é possível lutar contra o esquecimento. Ou seja, o cérebro não precisa de descanso.
Se se sentir com pequenos lapsos de memória, deve procurar um profissional da área de neurologia ou psiquiatria. Na maioria das vezes, os lapsos de memória não são causados por doenças clínicas ou neurológicas, principalmente em pessoas saudáveis, mas sim pelo stress diário das vidas competitivas e complexas dos dias atuais. Mas, mais vale prevenir do que remediar.